terça-feira, 30 de abril de 2013

ESSES INGLESES E SUA ESTRANHA JUSTIÇA...

POSTAGEM: ALOISIO GUIMARÃES

Na Inglaterra, em 2003, um deputado inglês chamado Chris Huhne foi pego por um radar dirigindo em alta velocidade. Para não perder a carteira, pois na Inglaterra é feio uma autoridade infringir a Lei, a mulher dele, Vicky Price, assumiu a culpa.
O tempo passou, o deputado virou Ministro da Energia, o casamento acabou, a Vicky decidiu se vingar e contou a história para a imprensa...
Como o que aconteceu foi na Inglaterra, o tal do Chris Huhne foi obrigado a se demitir: primeiro, do Ministério; e depois, do Parlamento.
- Acabou a história?
- Não!
Na Inglaterra é crime mentir para a Justiça. E a Justiça sentenciou o importante casal, envolvido na fraude do radar, em 8 meses de cadeia para cada um, além de pagar multa de 120 mil libras, uns 350 mil reais.
- Segredo de Justiça? Nem pensar: julgamento aberto ao público e à imprensa.
- Segurança nacional? Necas de pitibiribas: infrator é infrator.
- Privilégio porque é político? Nadica de nada!
E o que disse o Primeiro Ministro David Cameron quando soube da condenação do seu ex-ministro? Será que ele disse que se tratava de uma conspiração da mídia conservadora para denegrir a imagem do seu governo?
- Certo?
 - Não, errado!
O que disse o Primeiro Ministro foi o seguinte:
- É para todo mundo ficar sabendo que ninguém, por mais alto e poderoso que seja, está fora do braço da Lei.
Estes ingleses são mesmo atrasados, um bando de botocudos! Só mesmo nesses paizinhos capitalistas europeus é que um ministro perde o cargo por mentir para um guarda de trânsito. 

FOTO INVOCADA

POSTAGEM: ALOISIO GUIMARÃES

 

domingo, 28 de abril de 2013

CARTA DE UMA PATROA

POSTAGEM: ALOISIO GUIMARÃES


Prezada doméstica,
Quero cumprimentá-la porque, finalmente, a sua classe passou a ter os mesmos direitos do restante dos trabalhadores do nosso país. Agora as suas horas extras serão remuneradas, você terá direito ao FGTS, seguro desemprego, intervalo na jornada de trabalho e mais uma série de benefícios.
Parabéns pela conquista!
Mas, posso informar-lhe que, para mim, pouca coisa mudará... Afinal estou acostumada ao dia a dia do mercado de trabalho e, com certeza, saberei me adaptar rapidamente às novas regras. Apertando um pouco mais o orçamento, conseguirei pagar todos os ônus da nova lei, porém me preocupo com o novo tratamento que terei de dar a você, pois “para todo bônus, o seu ônus”.
Você será reconhecida por mim, financeiramente, mas precisará comprovar-me que está apta a ser tratada como profissional. Adeus às velhas desculpas de que o ônibus atrasou... Agora tenho que registrar sua entrada  e sua saída, para computar as horas extras a que você tenha direito.
Não me peça para não descontar suas faltas! Inevitavelmente terei  que contribuir para um fundo de garantia por seu tempo de serviço [FGTS] e, por isso, você precisa vir trabalhar.
Lembre-se, também, que não aceitarei as desculpas de que você não sabe cozinhar, passar, lavar roupas, pois estas aptidões são necessárias para o seu trabalho. Siga as minhas orientações e cumpra as minhas determinações.
Para atender às necessidades do meu lar, tal como acontece nas empresas (veja o comércio), busque a capacitação e a reciclagem, esteja atenta às boas relações interpessoais, para que eu possa honrar com prazer os seus direitos ora adquiridos.
Não vale mais ser doméstica e estudar datilografia (ah! Isso era antigamente, agora é informática...), ou passar horas mexendo e aprendendo tudo do celular ou ouvindo radinho sem se importar em esmerar-se para atender às necessidades do meu lar, pois isso é o que o seu emprego requer. Deixe o lazer para o período de descanso...
Você alcançou uma posição privilegiada, é uma profissional com todos os direitos da Consolidação das Leis do Trabalho, igual a qualquer empregado de uma empresa, embora meu lar e a minha família não se enquadrem nessa categoria e não tenham fins lucrativos. Portanto, acostume-se a ser advertida, afinal, as tarefas não realizadas contarão também para demissão por justa causa.              
Prejuízos ocasionados pela má utilização dos pertences de minha residência [seu local de trabalho], serão tratados como patrimônio, que você terá obrigação de zelar e ressarcir-me, caso venha a danificá-lo. E isso inclui as minhas roupas que você costuma manchar ao lavar e/ou queimar ao passar. Mas não se preocupe, quando eu fizer a reposição do item por outro igual, apresentarei o cupom fiscal a você.
Sentirei no bolso,  é verdade, mas a grande privilegiada será você, pois até que enfim alguém pensou em sua classe, no seu crescimento pessoal e profissional, espero que com a aquisição de todos esses benefícios você consiga manter-se no mercado de trabalho, buscando sempre o aprimoramento profissional.
Espero, ainda, que esse pouco dinheiro que chegará às suas mãos, uma vez que grande parte dele vai mesmo ficar para o governo, lhe dê condições de sustentar a sua família, pagar os cursos que você precisa fazer e ainda assim ser a amiga e companheira que nos auxilia ao longo de nossas vidas.
Atentando para tudo isso, nossa relação de amizade não sofrerá a menor mudança. Respeito o seu trabalho, preciso de sua ajuda em meu lar e confio no seu potencial. Por isso, espero que essa nova lei seja um marco para nós duas.
Um abraço e muito sucesso,
Sua patroa.

sábado, 27 de abril de 2013

SERAPIÃO

POSTAGEM: ALOISIO GUIMARÃES

Serapião era um velho mendigo que perambulava pelas ruas da cidade, tendo ao seu lado, o fiel escudeiro, um vira-lata que atendia pelo nome de  Malhado.
Eles não tinham aonde  dormir. Onde anoiteciam, lá dormiam. Quando chovia, procuravam abrigo embaixo da ponte.
Serapião não pedia dinheiro. Aceitava sempre um pão, uma banana, um pedaço de bolo ou um almoço, feito  com sobras de comida. Quando suas roupas estavam imprestáveis, logo era socorrido por alguma alma  caridosa, mudando o visual, o que o tornava alvo de brincadeiras.
Serapião era conhecido como um homem bom, que perdera a razão, a família, os amigos e até a identidade. Não bebia, era educado e estava sempre tranquilo, mesmo quando não havia  recebido nem um pouco  de comida.
Dizia sempre que Deus  lhe daria na hora certa e que, na hora que Deus determinava, alguém lhe estendia uma porção de alimentos... E, tão logo recebia ajuda, agradecia com reverência, rogando a Deus pela pessoa que o ajudara.Uma porção de tudo que ganhava dava primeiro para o Malhado, que, comia e, paciente, ficava esperando por mais um pouco.
Certo dia, alguém lhe perguntou como ele tinha conhecido e qual era a idade de Malhado. Ele respondeu:
- Eu não tenho ideia... Nossa amizade começou com um pedaço de pão. Ele parecia estar faminto, lhe ofereci um pouco do meu almoço, ele aceitou e agradeceu, abanando o rabo. Daí, não me largou mais! Ele me ajuda muito e eu retribuo essa ajuda sempre que posso...
- E como vocês se ajudam?
- Ele me vigia quando estou dormindo; ninguém pode chegar perto que ele late e ataca. Quando ele dorme, eu fico vigiando para que outro cachorro não o incomode.
Continuando a conversa, o homem indagou:
- Serapião, você tem algum desejo na vida?
- Sim - respondeu ele - tenho vontade de comer um cachorro quente, daqueles que a Zezé vende ali na esquina.
- Só isso?
- É... No momento, é só isso que eu desejo.
- Pois bem, vou satisfazer agora mesmo esse grande desejo - disse o homem.
O homem saiu e comprou um cachorro quente para o mendigo. Assim que viu o alimento, Serapião arregalou os olhos, deu um sorriso e agradeceu a dádiva. Em seguida, tirou a salsicha e deu para o Malhado, comendo apenas o pão com  o molho.
O homem não entendeu aquele gesto do mendigo, pois imaginava ser a salsicha o melhor pedaço, e perguntou:
- Por que você deu logo a salsicha, para o Malhado?
Ele, com a boca cheia, ele respondeu:
 - Para o meu amigo, o melhor pedaço!

terça-feira, 23 de abril de 2013

SE ARREPENDIMENTO MATASSE...

Texto de Aloisio Guimarães 

Domingo passado foi o dia 21 de abril; ontem, segunda-feira, foi 22 de abril... Você deve estar se perguntando:
- Sim, e daí?
Respondo:
- 21 de abril, dia dedicado a Tiradentes; 22 de abril, dia do descobrimento do Brasil.
Para não me alongar, vou comentar somente sobre Tiradentes, uma vez que a juventude atual se lembra do dia do Halloween (cultura tipicamente americana), mas esquece (ou não sabe) a data do descobrimento do seu país...
Joaquim José da Silva Xavier - o Tiradentes - é até hoje o único brasileiro que morreu, enforcado e depois esquartejado, em defesa da nossa pátria, contra a exploração portuguesa. Um verdadeiro herói! Tem todos os requisitos para ser idolatrado por cada um dos brasileiros, mas não é. Pior ainda: a maioria dos brasileiros nem sabe quem foi ele e os poucos que sabem, nem se lembram de homenageá-lo.
Lamentavelmente, sou obrigado a concordar com o Pedro Bial: os heróis do nosso povo são os participantes do Big Brother Brasil! Por eles, milhares de pessoas passam o dia e a noite votando pela internet. Por eles, milhares de pessoas gastam milhões de reais, pagando para votar, pelo telefone, para que o seu herói não seja o eliminado da semana ou que ele seja o ganhador, no "paredão" final. Por eles, discussões acaloradas estão presentes na mídia, inclusive com participação de renomados artistas da TV e cinema... 
É triste constatar que parte da juventude brasileira usa, com muito orgulho, camisetas estampadas com a imagem de Che Guevara, que nada fez por este país...
- Tiradentes?
Esquecem...
Diante do que se vê, ou melhor, daquilo que não se vê, Tiradentes deve estar se contorcendo no túmulo, se achando um verdadeiro babaca!
Tenho certeza de que se arrependimento matasse, Tiradentes morreria novamente...
- Que passado e que futuro tem um país que não tem heróis?
TENHA VERGONHA, MEMÓRIA NACIONAL!

sábado, 20 de abril de 2013

A JABUTICABA

POSTAGEM: ALOISIO GUIMARÃES

Um jovem se aproximou de um senhor idoso e perguntou:
- Que planta é esta que o senhor está cuidando?
- É uma jabuticabeira - respondeu o velho.
- E ela demora quanto tempo para dar frutos?
- Ah, pelo menos uns quinze anos - informou o homem.
- E o senhor espera viver tanto tempo assim? – indagou irônico, o rapaz.
- Não, não creio que viva tudo isso, pois já estou no fim da minha jornada - disse o ancião.
- Então, que vantagem você leva com isso, meu velho?
E o velhinho respondeu calmamente:
- Nenhuma, exceto a vantagem de saber que ninguém colheria jabuticabas se todos pensassem como você... Que seria de nós, se não plantássemos hoje a semente que servirá de alimento amanhã? Não podemos estar voltados somente para nós mesmos. Temos que pensar, também, nas gerações que estão por vir. Temos que dar nossa colaboração. Muitas medidas tomadas hoje repercutirão no futuro. Tomara que você sinta orgulho de poder fazer, de alguma forma, parte dele e ter dado a sua contribuição.
PENSE NISSO!

O TRADUTOR

POSTAGEM: ALOISIO GUIMARÃES


quinta-feira, 18 de abril de 2013

A CADEIRA

POSTAGEM: ALOISIO GUIMARÃES

Um sacerdote foi chamado para orar por um homem muito enfermo. Quando entrou no quarto, encontrou o pobre homem deitado, com uma cadeira ao lado cama. O homem estava com a sua cabeça apoiada num par de almofadas. Olhando novamente para a cadeira, o sacerdote perguntou: 
- Suponho que estava me esperando? - disse o sacerdote.
- Não. Quem é você? - respondeu o homem enfermo.
- Sou o sacerdote que a sua filha chamou para orar por você; quando entrei aqui e vi a cadeira vazia ao lado da sua cama, imaginei logo que você soubesse que eu viria visitá-lo.
- Ah, sim, a cadeira… Entre e feche a porta.
Então o homem enfermo lhe disse:
- Nunca contei para ninguém, mas passei toda a minha vida sem ter aprendido orar. Não sabia direito como se deve orar. E nunca dei muita importância para a oração. Pensava que Deus estava muito distante de mim. Assim sendo, há muito tempo abandonei por completo a ideia de falar com Deus. Até que um amigo me disse: “José, orar é muito simples. Orar é conversar com Jesus, e isto eu sugiro que você nunca deixe de fazer. Você se senta numa cadeira e coloca outra cadeira vazia na sua frente. Em seguida, com muita fé, você imagina que Jesus está sentado ali, bem diante de você. Afinal Jesus mesmo disse: “Eu estarei sempre com vocês”. Portanto, você pode falar com Ele e escutá-lo, da mesma maneira como está fazendo comigo agora.". Pois assim eu procedi e me adaptei à ideia. Desde então, tenho conversado com Jesus durante umas duas horas diárias. Tenho sempre muito cuidado para que a minha filha não me veja, pois me internaria num manicômio imediatamente.
O sacerdote sentiu uma grande emoção ao ouvir aquilo, e disse a José que era muito bom o que estava fazendo e que não deixasse nunca de fazê-lo.
Em seguida orou com ele e foi embora.
Dois dias mais tarde, a filha de José comunicou ao sacerdote que seu pai havia falecido.
O sacerdote então perguntou:
- Ele faleceu em paz?
- Sim, quando eu estava me preparando para sair, ele me chamou ao seu quarto. Ele disse que me amava muito e me deu um beijo. Quando eu voltei das compras, uma hora mais tarde, já o encontrei morto. Porém há algo de estranho em relação à sua morte, pois aparentemente, antes de morrer, chegou perto da cadeira que estava ao lado da cama e encostou a cabeça nela. Foi assim que eu o encontrei. Por que será isto?
 O sacerdote, profundamente emocionado, enxugou as lágrimas e respondeu:
- Ele partiu nos braços do seu melhor amigo...
É curioso como podemos enviar contos e brincadeiras através de e-mail´s os quais se desfazem como poeira; porém quando se trata de mensagens de Deus,  pensamos duas vezes antes de compartilhá-los com os outros.
É estranho como a luxúria nua e crua, vulgar e obscena, viaja livremente através do ciberespaço, porém quando se trata das palavras de Jesus, ela é suprimida das escolas e dos locais de trabalho.
Envie esta mensagem aos seus amigos da lista de endereços. Talvez eles precisem saber também que Jesus está mais próximo de nós do que podemos imaginar.

COMO RECONHECER UMA PERIGUETE

POSTAGEM: ALOISIO GUIMARÃESL



terça-feira, 16 de abril de 2013

O MAL DO SÉCULO

POSTAGEM: ALOISIO GUIMARÃES

JUINEM é a enfermidade do século. Ela foi recentemente descoberta pela Medicina Tradicional Chinesa, porém ainda não aceita pela classe médica internacional.
Os milhões de pessoas, homens e mulheres de todos os países do mundo, que padecem deste mal esperam a aprovação da Organização Mundial de Saúde para que se estude e se encontre a cura para esta mortal enfermidade.
É inevitável: cedo ou tarde, você vai ser atingido por esta doença. Fique atento, porque se você tiver três ou mais sintomas indicados abaixo, é um sinal de alerta, porque eles definem o aparecimento desta patologia:
 • Um simples cafezinho: provoca insônia daquelas.
 • Uma cervejinha leve: leva você direto ao banheiro.
  • Tudo parece muito caro.
 • Qualquer coisa fora do programado perturba você profundamente.
 • Um pequeno excesso alimentar provoca aumento de peso.
 • Uma provadinha na feijoada "cai" como chumbo no estômago.
 • Um churrasquinho "de nada" faz subir a pressão arterial.
 • Numa festa, para você, a melhor mesa é aquela que fica o mais distante possível da música e das pessoas.
 • Amarrar os sapatos, se conseguir, produz dor nos quadris.
 • A TV ou a leitura provoca sono.
 • Todos estão errados, só você é o certo.
 • Tudo perturba a cabeça.
 • Acha que todos estão contra você.
 • Acha que tudo "antigamente" era diferente...
Todos esses sintomas são prova irrefutável da presença do vírus da JUINEM, que quer dizer, em Chinês:
JUVENTUDE INDO EMBORA.

sexta-feira, 12 de abril de 2013

QUERO O MEU FUTEBOL DE VOLTA

Texto de Aloisio Guimarães

Confesso que estou desiludido com o futebol brasileiro, diante dos diversos fatos que acontecem diariamente nos estádios de futebol. Apesar de gostar muito do esporte, faz muito tempo que não vou a um jogo, principalmente em dia de "classico".
- Ir para quê? Para correr o risco de ser agredido ou morto?
A coisa é tão séria que nos leva a indagar:
- Aonde é que vamos parar?
Entre várias aberrações e absurdos, no meu ponto de vista, é possível destacar:
1. É PROIBIDO DRIBLAR
Driblar, hoje, é sinônimo de desrespeito ao adversário, mesmo que ele seja “um verdadeiro perna-de-pau” (coisa que 99,99% dos jogadores atuais o são). É estarrecedor saber que esta tese é defendida por grande parte da mídia, formada por “jornalistas” que nunca viram jogar, entre outros, Pelé, Garrincha, Di Stefano, Puskas, Maradona, Rivelino, Jairzinho... Quem ousar driblar é ofendido e até agredido pelos “craques” “humilhados”. Estupefato, comprovo que tem jogador que fica muito mais ofendido com um drible que leva do que com um soco, um carrinho, um pontapé, uma cotovelada...
2. É PROIBIDO IR AO ESTÁDIO COM A CAMISA DO SEU CLUBE
Quem ousa ir a um estádio com a bandeira e/ou vestindo a camisa do seu clube de coração, correr sério risco de vida. E, se conseguir chegar ileso por lá, reze para voltar para casa da mesma forma! Os noticiários não nos deixam mentir. A violência de torcidas organizadas (não seriam “marginais organizados”?) é notícia corriqueira nos dias de jogos. O que é absurdo nisso tudo é que algumas dessas torcidas, que estão afastando as famílias dos estádios, são, segundo dizem, patrocinadas pelos próprios clubes e dirigentes, inclusive com a doação de ingressos para os jogos. Ultimamente, estão depredando os estádios, quebrando cadeiras, sanitários... E ninguém toma uma atitude enérgica!
3. É PROIBIDO RECONHECER A CAMISA DO SEU CLUBE
Antigamente, um torcedor de qualquer time, ao passar diante de uma televisão, identificava imediatamente, pelas camisas, quais os times que estavam jogando. Hoje, quase nenhum time brasileiro tem um padrão de camisa fixo, tornando-os irreconhecíveis, visualmente. Todo jogo usa um tipo de camisa diferente, imposta pelo o anunciante/patrocinador de plantão. Tem camisa de time de futebol com tanta propaganda que é difícil até de localizar o escudo da equipe... E tem torcedor, inocentemente útil, que a usa. E com orgulho! Hoje, qualquer criança brasileira reconhece com maior facilidade a camisa do Barcelona, do Real Madrid, do Liverpool, do Porto, do Benfica e do Boca Júnior, por exemplo, do que as camisas dos clubes brasileiros, inclusive a do seu time. Muito fácil: eles não mudam de padrão e, quando o fazem, mudam muito pouco! A minha camisa do "meu" Flamengo, não tem propaganda nenhuma, somente o escudo. Não sou "outdoor ambulante" para sair, desfilando pelas ruas da cidade, fazendo propaganda de ninguém... E de graça! "Chapéu de otário é marreta”!
4. É PROIBIDO FORMAR CRAQUES
Os jogadores passaram a ser propriedade de empresário e não dos clubes! Que clube vai investir em um atleta se o “dono dele” é o empresário Fulano de Tal? Resultado: total ausência de craques promissores e, consequentemente, a formação de equipes medíocres. Vem aí a Copa do Mundo no Brasil. Quem você apontaria, dentre os jogadores brasileiros em atividade, como provável craque nessa Copa? Ninguém! O Neymar há muito deixou de jogar bola, se preocupando muito mais com o cabelo. Esta semana mesmo, ele saiu vaiado de campo pela torcida do Santos, o seu clube.
5. É PROIBIDO TER ÍDOLOS
Hoje, é comum o seguinte diálogo:
- Carlos, vamos ao jogo no domingo? Quero ver se o Paulinho, esse centroavante novo do Perna-de-pau Futebol Clube, está comendo a bola como dizem!
- Que é isso, Aloisio? O Paulinho já foi embora... Ontem, o seu empresário vendeu “seus direitos federativos” ao Picareta Futebol Clube.
Nenhuma atividade sobrevive sem ídolos, principalmente o futebol que, para o torcedor, é paixão!
6. É PROIBIDO SABER A ESCALAÇÃO DO SEU CLUBE
Antigamente, todo torcedor sabia a escalação do seu time e as dos times adversários. Hoje, ele nem a sabe ao menos metade do elenco de seu clube. Lógico, os times mudam de jogares toda hora! Jogadores com Ryan Giggs que tem mais de 800 jogos pelo do Manchester United é coisa rara!
7. É PROIBIDO FAZER GOLS DE CABEÇA
Com a complacência de juízes, que medrosamente fazem vista grossas para os agarrões dentro da área, fingindo que estavam olhando para o outro lado, com medo de marcar pênaltis, é praticamente impossíveis gols de cabeças nas jogadas de escanteios e faltas nas proximidades da linha de fundo. Nessa hora, é mais cômodo marcar falta do atacante. A mídia vê tudo isso e cala; a Comissão de Arbitragem faz de conta que nada acontece...
8. É PROIBIDO PROGRAMAR SUAS IDAS AOS ESTÁDIOS
As partidas de futebol deixaram de ser uma um jogo de campeonato para fazer parte da Grade de Programação da rede de televisão, que comprou os direitos de transmissão do campeonato. Resultado: tem jogo todo dia, nos mais diversos horários e só começam quando o diretor da TV ordena, não importando se o babaca do torcedor vai chegar cedo ou tarde em casa!
9. É PROIBIDO DAR ESPETÁCULO
Pelos comentários de muitos entendidos, que criticam a supremacia de uma equipe sobre outra, as partidas de futebol tem que ser mecânicas. Nada de espetáculo, nada de olé... Pelo visto, quem quiser assistir espetáculo que vai ao sambódromo ou coisa parecida. Mané Garrincha? Nunca mais! As maravilhosas tabelinhas Pelé/Coutinho; o entrosamento da dupla Dudu/Ademir da Guia; o timaço do Flamengo, de Andrade, Adílio e Zico; o Cruzeiro de Tostão, Piaza e Dirceu Lopes; o Internacional de Figueroa e Falcão... Ninguém quer mais!
10. É PROIBIDO JOGAR 90 MINUTOS NUMA PARTIDA DE FUTEBOL
a. Os gandulas e as bolas somem, quando o time da casa está vencendo os jogos...
b. Todo jogador, do time que está ganhando, quando vai ser substituído, cai em campo, simulando contusão, forçando a entrada do médico e massagista e depois do carro-maca, com o único intuito de paralisar demasiadamente o jogo e ganhar (roubar do público) alguns minutos do tempo;
c. Todo goleiro, do time que está ganhando, sabendo que o goleiro “tem o direito de ser atendido em campo” e também com a finalidade de “ganhar tempo” (roubar do público), simula contusão em qualquer jogadinha boba na área. Todo mundo sabe, todo mundo vê e ninguém faz nada!
d. Demora-se para cobrar escanteio, faltas, tiro de meta...
O interessante é que, quando jogam na Europa, os atletas brasileiros não fazem cera nenhuma. Lá o público não admite ser enganado no tempo de jogo, mesmo que seu time esteja ganhando apenas de 1x0. Eles pagaram para ver 90 minutos de bola rolando e exigem esse tempo. Quando voltam para o Brasil, esses mesmos jogadores voltam a fazer tudo de novo...
Na minha burrice, grito aos quatro cantos:
- Alô PROCON, o consumido paga para assistir 90 minutos de futebol e só está recebendo 60 a 55 minutos! Onde fica o "Direito do consumidor"? Porque vocês não exigem cronometragem oficial, como em outros esportes?
Sinto saudades de ir ao estádio e sentar ao lado do torcedor do time adversário (ambos vestidos com a camisa do clube do coração) e, após o jogo, nos cumprimentarmos alegremente.
Sinto saudades das “humilhações” de Mané Garrincha nos seus marcadores.
Sinto saudades das jogadas geniais de Pelé, Maradona, Rivelino... Admiradas até pelos seus adversários e marcadores!
Sinto saudades dos juízes respeitados, fazendo valer a “lei do jogo”.
Sinto saudades do uniforme do meu time, que vestia com orgulho!
Sinto saudades...
- Quero o meu futebol de volta!