segunda-feira, 30 de dezembro de 2013

OBA! UM PRESENTE DO GOVERNO FEDERAL!

Texto de Aloisio Guimarães

O brasileiro acaba de receber, do governo Dilma, um presente de Ano Novo: o aumento da alíquota do IOF (Imposto sobre Operações Financeiras) para os pagamentos em moeda estrangeira feitas com cartão de débito, saque em moeda estrangeira no exterior compra de cheques de viagem e carregamento de cartões pré-pagos, com moeda estrangeira, de apenas 0,38% para 6,38%.
Um aumento de "apenas" 1.578,94736842105 %.
Coitado de quem vai viajar para exterior!
 Isso é que é inflação!

domingo, 29 de dezembro de 2013

FELIZ ANO NOVO?

Texto de Rubens Mário
PROFESSOR E ADMINISTRADOR DE EMPRESAS

Mais uma vez, indiferentes ao Natal, tivemos um final de ano manchado de sangue. Algumas pessoas até tiveram a “sorte” de permanecerem vivas após as covardes agressões. Fica bastante evidente que os impiedosos delinquentes sentem prazer em matar.
Num dos casos mais rumorosos o ex-presidente do CRB, Paulo Trindade, o popular, “Paulo Marmita”, foi, covardemente, trucidado durante um roubo de um aparelho celular, pasmem!
Sem saberem mais o que fazer para se livrarem das agressões, é muito comum ouvir as pessoas afirmarem: “Ah! Falta policia nas ruas”! “Trás de volta o coronel Amaral”! E, etc. O primeiro suplicio até que é verdadeiro, mas, não é o motivo principal das barbáries. Com relação ao segundo, tenho as minhas reservas, e justifico: no tempo do coronel Amaral - homem de atitudes fortes e decisivas - o mundo era outro, totalmente diferente do atual! A população era, infinitamente, menor; a música, mesmo aquelas de qualidade inferior, era romântica e, muitas vezes, ingênua; a televisão ainda respeitava as famílias e, não tinha ousado tomar conta das nossas vidas; as habitações ainda eram horizontais - poucos moravam em edifícios, tínhamos relações humanas; os menores eram crianças inocentes; não tínhamos a entidade, direitos humanos; homem e mulher formavam um casal, daí uma família; e, a gênese principal da transfiguração do novo mundo - tínhamos uma eficiente educação púbica básica. Logo, se o prezado coronel voltasse, iria encontrar sérias dificuldades para reimplantar o seu duro sistema de trabalho no comando da nossa segurança pública. Creio que até poderia fazer o crime migrar de região, mas, vencê-lo, infelizmente, não.
O que precisamos entender e compreender é que o grave problema não é assintomático! Não é casual! Essas pessoas que estão aí matando e roubando não se transformaram em animais irracionais da noite para o dia! Muito pelo contrário! Foram submetidas, dolorosamente, desde o nascimento até a juventude, a processos de sobrevida, maquiavélicos e hediondos, patrocinados pelo poder público. A esses jovens meliantes foram negados a educação genuína em detrimento de processos mesquinhos de transferência de renda e uma consequente e equivocada circulação monetária, na qual se inclui produtos nocivos à própria sobrevida dos miseráveis, e, por conseguinte, dos seus semelhantes. O resultado de todos esses mal feitos aos menos aquinhoados foi o estabelecimento de dois mundos totalmente diferentes e paralelos que, ao contrário da regra matemática, se encontram, ou melhor, se chocam, constantemente, muito antes do infinito, ou, mais precisamente, quando um necessita do outro.
A satisfação da necessidade quando se materializa através dos elementos do mundo menos assistido e, e que foram, totalmente desprovidos de qualquer formação humana e social, se dá, logicamente, através da revolta e da, consequente, brutalidade. Diante dos fartos prazeres mundanos e novidades tecnológicas exibidos, matreiramente, pelo competente merchandising global, e com o tirocínio aniquilado, esses seres humanos, mesmo participando da tal circulação monetária, transformam-se em ferozes e destemidos animais irracionais, partindo, movidos à  drogas e armas de fogo, facilmente encontradas  circulando no sub mundo, para tomar dos outros, aquilo que seus instintos pedem que o façam.
Então, infelizmente, o que nos espera num novo tempo, é a acentuação dos conflitos entre os habitantes dos dois mundos, derivada da ganância monetária subjetiva dos seus promotores.
O que clamamos para o futuro é que haja uma circulação monetária sadia e decente, fruto de uma equilibrada e racional atividade laboral por parte dos que hoje, são ultrajados com esmolas desviadas daqueles que sonham com um mundo único habitado por pobres e ricos que se necessitem de forma humana, e, sobretudo, se respeitem.
Que Deus nos ouça, e feliz ano novo.
 

RECONHECIMENTO PÓSTUMO

POSTAGEM: ALOISIO GUIMARÃES

O matemático britânico Alan Turing, considerado o Pai da Informática Moderna e que ajudou os Aliados a decifrarem o Código Enigma Alemão - mensagens cifradas trocadas entre a marinha alemã - durante a II Guerra Mundial, quando trabalhou no serviço secreto britânico em Bletchley Park (mansão na Inglaterra dedicada à análise de códigos), recebeu nesta terça-feira (24) um indulto póstumo, 59 anos depois de morrer intoxicado por cianeto em decorrência de um processo de "castração química" ao qual ele foi condenado, pelo Reino Unido, em 1952, por ser assumidamente homossexual, considerado, à época, ilegal.
A sua condenação lhe obrigou a abandonar seu trabalho no Quartel-General de Comunicações do Governo (GCHQ), ao qual se incorporou após trabalhar durante a guerra.
Alan Turing morreu em 1954, aos 41 anos, envenenado com cianureto e, embora o legista tenha determinado que foi suicídio, a sua família e os biógrafos sempre declararam que se tratou de um acidente.
Por sugestão do governo, que atuou movido por um pedido popular, a rainha Elizabeth II concedeu o perdão a Turing, terminando uma campanha de vários anos, apoiada por cientistas como Stephen Hawking e que também incluiu uma proposição de lei apresentada na Câmara dos Lordes pelo liberal-democrata John Sharkey.
"Alan Turing foi um homem excepcional com uma mente brilhante. Seu brilho se evidenciou em Bletchley Park durante a Segunda Guerra Mundial, onde foi fundamental para decifrar o Código Enigma, contribuindo para pôr fim à guerra e salvar milhares de vidas", afirmou o ministro da Justiça, Chris Grayling, que foi quem pediu à soberana que emitisse o indulto.

sábado, 28 de dezembro de 2013

A CASA CAIU!

Texto de Aloisio Guimarães

O livro "ASSASSINATO DE REPUTAÇÕES - UM CRIME DE ESTADO" de Romeu Tuma Júnior - que dispensa apresentação - é o maior sucesso aqui em São Paulo, tanto que não é mais possível encontrá-lo nas livrarias da cidade - uma nova edição já está no prelo e foi com muito trabalho que consegui este exemplar que apareço lendo na foto.
É um livro que deve ser lido por todos os brasileiros, principalmente pelos petistas e também por aqueles que nunca ouviram falar do "Barba", um "dedo duro" que agiu durante a chamada "ditadura militar".
É um livro revelador, que derruba o "Barba" do pedestal da casa de muitos brasileiros. Aliás, é muito mais do que um livro: é um documento histórico!
Uma verdadeira bomba!


AME SEMPRE

POSTAGEM: ALOISIO GUIMARÃES

Diz um conto chinês que um jovem foi visitar um sábio conselheiro e disse-lhe sobre as dúvidas que tinha a respeito de seus sentimentos por uma bela moça.
O sábio escutou-o, olhou-o nos olhos e disse-lhe apenas uma coisa:
- Ame-a.
E logo se calou.
Disse o rapaz:
- Mas, ainda tenho dúvidas...
- Ame-a, disse-lhe novamente o sábio.
E, diante do desconcerto do jovem, depois de um breve silêncio, disse-lhe o seguinte:
- Meu filho, amar é uma decisão, não um sentimento. Amar é dedicação e entrega. Amar é um verbo e o fruto dessa ação é o amor. O amor é um exercício de jardinagem. Arranque o que faz mal, prepare O terreno, semeie, seja paciente, regue e cuide. Esteja preparado porque haverá pragas, secas ou excessos de chuvas, mas nem por isso abandone o seu jardim. Ame, ou seja, aceite, valorize, respeite, dê afeto, ternura, admire e compreenda. Simplesmente, ame, porque:
• A inteligência, sem amor, te faz perverso.
• A justiça, sem amor, te faz implacável.
• A diplomacia, sem amor, te faz hipócrita.
• O êxito, sem amor, te faz arrogante.
• A riqueza, sem amor, te faz avarento.
• A docilidade, sem amor te faz servil.
• A pobreza, sem amor, te faz orgulhoso.
• A beleza, sem amor, te faz ridículo.
• A autoridade, sem amor, te faz tirano.
• O trabalho, sem amor, te faz escravo.
• A simplicidade, sem amor, te deprecia.
• A lei, sem amor, te escraviza.
• A política, sem amor, te deixa egoísta.
• A vida, sem AMOR, não tem sentido.
 

sexta-feira, 27 de dezembro de 2013

PIADINHAS PARA GENTE GRANDE

POSTAGEM: ALOISIO GUIMARÃES

MOVIDO A ENERGIA
O gaúcho estava transando com a namorada. Num dado momento, ela preparou o dedo indicador e "crau" na bunda dele, fazendo o famoso “fio-terra”. Espantando, ele pergunta:
- O que é isso, guria?!
E ela, calmamente, responde:
- É para dar mais é energia, bem...
Eis, que o gaúcho se empolga e diz:
- Então, tu enfias logo três dedos, porque eu sou trifásico, tchê!

TRATAMENTO DE CHOQUE
Um sujeito muito gordo, mas muito gordo, resolveu ir a um novo SPA, que garantia resultados rápidos...
Assim que chegou lá, pediu informações sobre o preço: 
- Quais os preços? - perguntou o gorducho.
- Temos dois tipos de tratamento: no primeiro, você paga R$ 50.00 e perde 10 kg em 2 dias; no segundo, o preço é maior: R$ 1.000,00; mas você perde 30 kg no mesmo tempo
Ele se decidiu pelo plano mais barato e foi para seu quarto desfazer as malas. De repente, entra uma loiraça, de derrubar avião, e diz:
- Se você conseguir me pegar, você me come!
O gordinho saiu, feito louco, atrás da loira. Correu pelo SPA inteiro e nada de conseguir alcançá-la. Depois de uma hora correndo, descobriu que já tinha perdido 2 kg!
Então, o cara pensou:
- Se por R$ 50.00 reais me mandaram uma loira de fechar quarteirão, imagino o que mandariam se pagasse os R$ 1.000,00...
Pensou mais um pouco e resolveu que valia a pena tentar. Pagou os mil reais e foi esperar no quarto. Minutos depois, entra um afrodescendente, saradão, com quase 2 metros de altura, com um "instrumento" de respeito e vai logo avisando:
- Corre, gordinho, porque se eu te pegar, te como!

PACTO DE SOBREVIVÊNCIA
Três esquiadores, um americano, um alemão e um brasileiro, se perdem nas montanhas de gelo da Cordilheira dos Andes.
Após alguns dias e para não morrerem de fome, fazem um trato: cada dia, um deles tiraria um pedaço do próprio corpo, para alimentar os outros dois.
Assim, no dia seguinte, o americano tirou um pedaço da coxa e os outros dois, felizes da vida, começaram a gritar:
- Oba, coxinha! Coxinha! Coxinha!...
No outro dia, foi a vez do alemão. Ele tirou um pedaço da bunda e os outros gritaram:
- Oba, bundinha! Bundinha! Bundinha!...
Na vez do brasileiro, ele puxou “o pau” pra fora e os outros gritaram:
- Oba, salsicha! Salsicha! Salsicha!...
Então, o brasileiro avisa:
- Salsicha, não; hoje, é dia de leitinho!

A IGNORÂNCIA E A LUA-DE-MEL
Na semana do casamento, a menstruação chega, causando verdadeiro desespero na noiva, que, aos prantos, desabafa com a mãe:
- Puxa mãe, justo na semana do meu casamento, tenho que ficar assim? Eu sou uma desgraçada mesmo! Como vai ser na lua de mel? O meu futuro marido vai me odiar!  Buáááá!Buáááá! Buáááá!...
Vendo a situação da filha, a mãe resolve conversar com o noivo, a fim de tranquilizar a noivinha neurótica.
- Mas, Dona Maria - diz o noivo - fale para ela não se preocupar, pois sei que essas coisas podem acontecer sem aviso nenhum. A senhora pode ir para casa. Fique tranquila e, por favor, diga à sua filha que o ocorrido é um mero detalhe, comparado ao nosso amor. Pode deixar que, nesses dias, ficaremos somente no Amor Platônico...
Aliviada, a sogra volta rapidamente para acalmar a filha.
- Filha, olha, fui lá falar com o seu noivo e ele entendeu o seu problema. Ah, e ele também falou que, qualquer coisa, vocês ficam só no Amor Platônico, viu ?
Quando a mãe já estava saindo do quarto, a filha pergunta:
- Mas, mãe, o que é Amor Platônico?
Então, a mãe responde:
- Filha, eu também não sei o que é... Mas, em todo caso, lave bem a bunda, escove bem os dentes e seja o que Deus quiser!

BOTA, JORGE...
O guarda ia passando em um viaduto, quando ouviu duas bichas transando:
- Bota, Jorge! Tira, Jorge! Bota, Jorge! Tira, Jorge!...
O policial avisou:
- Vocês dois, vamos parar com esta pouca vergonha...
A bicha “de baixo” olha para cima e pergunta:
- Seu guarda, o cu é seu?
- Claro que não! - respondeu o guarda.
Aí, a bicha diz:
- Então, bota, Jorge!

CABEÇÃO
Um militar nunca pede desculpas. Quando comete um equívoco, um erro ou um engano, diz somente:
- Última forma!
Num quartel da polícia militar, destacava um recruta, cujo apelido era “Cabeção”. Ele detestava o apelido. Por isso, todas as vezes que outro soldado o chamava de “Cabeção”, ele prontamente respondia:
- Meu “pau” na sua mão!
Certo dia, ele estava trocando de roupa no alojamento, quando um colega avisou:
- Atenção! Capitão Paixão!
Entendido mal, instintivamente, “Cabeção” respondeu, gritando:
- Meu “pau” na sua mão !
- O que, recruta? Você está louco? - perguntou, indignado, o Capitão Paixão, que tinha acabado de entrar no alojamento.
Então, com espantosa presença de espírito, o “Cabeção” respondeu:
- Última forma, meu Capitão. É o seu “pau” na minha mão!

CONSULTA MÉDICA
O matuto estava com problema urinário e o seu patrão disse que ele tinha que ir a um Urologista. Ao ouvir o conselho, o matuto perguntou:
- Patrãozinho, o qui é esse tá de Urologista?
- Você não sabe?
- Não, sinhô...
- Então, a partir de agora, você vai ficar sabendo: o Urologista é aquele cara que olha para o seu pinto com muito desprezo, pega-o com nojo e cobra a consulta como se tivesse chupado!
- Ôxente...
- Ah, antes que esqueça: ele faz tudo isso depois de ter enfiado o dedo no teu cu!
- Vôte! Deus me livri, prifiro ficá duenti, hômi!

O PADRE E O RABINO
Num banquete de inauguração de um shopping center, botaram um padre sentado ao lado de um rabino.
O padre, querendo tirar um sarro com a cara do rabino, enche o prato com pedaços de um suculento leitão e depois oferece pro "colega".
O rabino recusa, dizendo:
- Muito obrigado. Você sabe muito bem que a minha religião não permite comer carne de porco!
- Nossa, que religião mais esquisita! Comer leitão é uma delícia! - comenta o padre com ironia.
Na hora da despedida, o rabino chega para o padre e diz:
- Mande minhas recomendações à sua mulher!
Aí, o padre, horrorizado:
- Minha mulher? Você sabe muito bem que a minha religião não permite casamento de sacerdotes!
Então, retruca o rabino:
- Noooossa, que religião mais esquisita! Comer uma mulher é uma delííícia!

domingo, 22 de dezembro de 2013

ERRO MÉDICO INVESTIGADO

FONTE: LEIA A NOTÍCIA COMPLETA NO SITE UOL

O Ministério da Saúde abriu nesta terça-feira uma investigação contra o médico argentino Juan Carlos Cazajus por suposto erro médico na prescrição de medicamentos a um paciente em Tramandaí, no litoral norte do Rio Grande do Sul. A prescrição, datada de 8 de outubro, indicava o uso intensivo do antibiótico Azitromicina 500mg, numa dose muito superior à recomendada pela literatura médica. O profissional começou a atuar na cidade há 15 dias no programa Mais Médicos do governo federal.
Segundo a receita, o paciente deveria tomar 24 comprimidos do antibiótico de oito em oito horas. A dose recomendada, segundo o Conselho Regional de Medicina do Rio Grande do Sul (Cremers), não deveria passar de uma cápsula diária durante três dias – em casos considerados mais graves, o período de medicação poderia ser estendido a uma pílula diária por oito dias.
Um médico supervisor do Ministério da Saúde, que foi à cidade apurar a informação, confirmou que Cazajus foi o autor da prescrição. Ele disse que o médico recomendou a superdosagem devido à gravidade do quadro clínico do paciente, que apresentou infecção respiratória acentuada por falta de ar.
Ainda segundo o supervisor, o paciente é fumante e apresenta um histórico de resistência ao tratamento. O diretor da secretaria municipal da Saúde, César Santos, confirmou a informação e disse que o procedimento do profissional se baseou em “evidência clínica”.

POBRE FUTEBOL BRASILEIRO

Texto de Rubens Mário
PROFESSOR E ADMINISTRADOR DE EMPRESAS

Essa semana diversos fatos abalaram o futebol brasileiro. Esses acontecimentos retratam de forma bastante nítida o que é hoje o nosso esporte mais popular; o mais comentado pela mídia, inclusive, mundial, foi a selvageria protagonizada por duas torcidas organizadas do Vasco da Gama e do Atlético paranaense, na arena Joinville. Não sei, se o absurdo maior foi o fato delinquente, ou, os resultados dos julgamentos com as suas esdrúxulas punições.
Na última rodada do campeonato brasileiro da série “A”, alguns, outrora grandes clubes - Vasco e Fluminense - jogaram contra adversários, dantes, menores que eles, tentando fugir do temido rebaixamento para a série “B”. O clube tricolor, ou, INIMED Futebol Clube, apesar de vencer, com dificuldades, o despretensioso Bahia, terminou sendo rebaixado. No outro jogo, o meu querido Vasco da Gama, levou mais uma vergonhosa goleada e, também, acabou sendo, mais uma vez, rebaixado - o segundo em apenas cinco anos. Para se ter uma ideia da falta de inteligência dos comandantes do futebol brasileiro, o jogo já tinha sido transferido de Curitiba, devido à uma confusão num  jogo anterior do adversário do Vasco contra o Coritiba. Na semana seguinte ao triste espetáculo, o órgão deliberador da justiça esportiva se reuniu, mais uma vez, e aplicou severas penas aos dois clubes, ou, às suas imensas torcidas. O Vasco da Gama que já se encontra num estágio de pré-falência há bastante tempo, à exemplo dos seus coirmãos cariocas, foi multado em R$80.000,00 e mais, a perda de oito mandos de campo, sendo quatro, de portões fechados. Apesar de sabermos que as diretorias dos clubes detentores de grandes torcidas no Brasil, oferecem diversos tipos de apoios aos meliantes das torcidas organizadas, o que os membros dos Tribunais esportivos deveriam entender e compreender é que os clubes mais populares do país, não se resumem aos incompetentes dirigentes e aos meliantes das torcidas organizadas; o Vasco da Gama, por exemplo, possui milhões de torcedores espalhados por todo o Brasil e que, sem qualquer culpa, além de ficarem privados de assistir jogos do seu clube de coração, ainda assistem a acentuação da crise financeira, e, com isso, a formação de equipes medíocres. Francamente, não conseguimos compreender, por que, apesar da televisão mostrar, nitidamente, todos os marginais se agredindo, mutuamente, alguns até já reincidentes em fatos da mesma natureza, eles não são punidos, ao invés, dos verdadeiros torcedores dos clubes? As perdas de mando de campo, já ficaram provadas, serem totalmente equivocadas, pois, os marginais que vão para o estádio brigar com os outros, irão para qualquer lugar aonde for determinado o novo confronto e, com certeza, voltarão a se digladiar, dentro ou fora dos estádios. Um exemplo disso foi o próprio jogo do Atlético com o Vasco, que havia sido transferido de Curitiba para Joinville devido a incidentes da torcida organizada do Atlético paranaense com a do rival, Coritiba.
Já ficou bastante óbvio que os problemas de brigas dentro e fora dos estádios são questões de policia e, principalmente, de justiça comum. Se é questão legal, que mudem a legislação.
Aqui em Alagoas, recentemente, nós torcedores decentes do CRB, fomos punidos com a perda de quatro mandos de campo na próxima competição promovida pela CBF.  Será que os causadores da punição estarão lá no nos novos locais dos jogos? É claro que sim! Mas, será que eu e os outros torcedores decentes do CRB teremos coragem de se deslocar até lá? É evidente que não!
Os outros fatos negativos que provam o porquê dos nossos clubes mais populares estarem pré-falidos, foram a infantil inclusão de jogadores de Flamengo e Portuguesa em jogos do campeonato brasileiro da Série “A”, mesmo com os atletas estando suspensos e, esses, não representarem qualquer necessidade de jogarem aquelas partidas. É absoluta e inquestionável a verdade, que o Fluminense, já reincidente em “virada de mesa”, caiu mais uma vez e deveria ficar lá no chão! Mas, também é verdadeiro que o campeonato brasileiro não é um simples torneio de peladas, e, assim, deve obedecer às regras e regulamentos. O que o Fluminense reclamou, qualquer outro clube reclamaria na justiça desportiva. O que nos deixa perplexo é que os torcedores da Portuguesa, em nenhum momento, protestaram contra a incompetência e irresponsabilidade de seus dirigentes.
Para completar esse ciclo de maus exemplos no nosso futebol, citamos o vexame do Atlético mineiro contra o, outrora, desconhecido time do Raja Casablanca, do Marrocos, que humilhou o time mineiro, e, sobretudo, o seu milionário astro, Ronaldinho Gaúcho, que, como falou, antes do jogo, um pobre  atleta marroquino, não é mais aquele. Será que já estamos pra lá de Marrakech?

sábado, 21 de dezembro de 2013

FRACASSAÇO

POSTAGEM: ALOISIO GUIMARÃES

O "Toplessaço" convocado pelas redes sociais por uma atriz e por uma produtora cultural (?), como forma de protesto, para esta manhã do primeiro dia do verão, na Praia de Ipanema, Rio de Janeiro, foi o maior fracasso.
Apesar de 8.200 pessoas terem confirmado que se fariam presentes, apenas alguns "gatos pingados" compareceram ao evento e, além delas duas, óbvio, somente três ou quatro mulheres ficaram com os seios à amostra.
Pela foto, os homens ficaram decepcionados, tanto com a quantidade como pela qualidade deles (peitos)...


sexta-feira, 20 de dezembro de 2013

A COMPETENTE CABELEREIRA

Texto de Carlito Lima

Manoela era a alegria da rua, menina sapeca, gordinha, corria por todos os cantos e sítios de mangueira, adorava manga, tornou-se a queridinha do bairro. Aos 14 anos tomou corpo, ela percebia olhares mal-intencionados dos homens, a adolescente precoce sentiu a transformação do ser, os hormônios apareceram fazendo um furacão naquela jovem morena. Começou a namorar colegas de aula, a mãe a deixava na escola, tinha de trabalhar para sustentar a filha. Manoela foi criada em total liberdade, vivia na rua com os amigos, jogando bola, pião. Sem orientação sexual, ao descobrir os encantos das carícias deixou-se levar pela lascívia, engravidou, foi a terrível notícia recebida pela mãe, religiosa, não permitiu o aborto, teve o filho, menino gordinho moreno, deram-lhe o nome de Francisco.
Manoela abandonou os estudos, procurou emprego, copeira, lavadeira, cozinheira, fazia qualquer serviço para ajudar a mãe. Uma colega desencaminhou-a a fazer programa, ela enfrentou um homem sem escrúpulos, sem higiene, detestou, teve nojo, nunca mais fez programa na vida. Certa vez participou de um curso do SENAC de cabeleireira, descobriu sua vocação, empregou-se em um salão de beleza, a jovem fez rápido sucesso, suas mãos suaves, mágicas, obedecem à criatividade, sabem manusear cabelos.... Manoela tornou-se a queridinha das dondocas, das socialites, nos dias de sextas-feiras trabalha até altas horas. Em três anos juntou algum dinheiro, comprou casa nova modesta para família. Apesar de alguns pedidos, nunca quis casar, nunca quis se amarrar, gosta da vida, ama ser solteira, ser boêmia, ser independente.
Aprendeu a usar anticoncepcional e camisinha, hoje vive para amar, nem que seja amor passageiro de uma noite.  Manoela escolhe seus amores, gosta da noitada, da cerveja, da boemia nos fins de semana. Segundo um médico, parceiro esporádico na cama de Manoela, além do furor uterino, ela tem o poder, o instinto, de realizar as fantasias dos homens, seja jovem ou idoso. Nunca aceitou dinheiro por instantes de amor, transa porque quer, porque gosta, tem suas prioridades na escolha dos parceiros, gosta de homem bonito, bem vestido, limpo, não interessa a idade.
Certa noite, Manoela tomava umas cervejas com amigos num bar da Lagoa, de repente ele apareceu, estampa de homem, quase 1,90 metros, espadaúdo, cabelo preto escorrido ao ombro, parecia um artista de televisão, todo bonito. Ao vê-lo entrar no bar, as pernas de Manoela tremeram de leve, o sangue veloz nas veias avermelhou o rosto, esquentou a temperatura. Por sorte ele conhecia uma das amigas, veio em direção à mesa, sentou-se em frente de Manoela. A simpatia da cabeleireira encantou Salomão, o jovem bonito, passaram a noite conversando, bebendo e comendo. Eram duas horas da manhã ao fechar a conta, Manoela pediu carona a Salomão, moravam perto, descobriram, ao deixá-la em casa ela o abraçou, beijou-o na boca, ele não correspondeu, afastou-a com carinho, abriu seu coração.
- Manoela, gostei muito de você, entretanto, entre nós existe um grande empecilho, sou homossexual, gosto mesmo é de homem.
Ainda em estado de choque ela respirou fundo, olhou nos olhos de Salomão, disse apenas, "um desperdício". Foi dormir.
Por toda semana lembrava a imagem de Salomão, aquele Deus, o homem mais bonito que conhecera na vida, despertou-lhe incontida paixão, contudo, jogava no outro time, não acreditava. Salomão não lhe saiu da cabeça.
Outro sábado à noite no mesmo bar, com as mesmas amigas, contou o ocorrido, elas já sabiam, sorriram e caçoaram. De repente entra Salomão, bem vestido, bonito, parecia uma estátua. Conversaram, beberam, comeram, divertiram-se. Na hora da saída Manoela entrou no carro de Salomão, ao passar num motel à beira da lagoa, ela convidou-o a tomar mais cerveja, nada iria acontecer, insistiu, ele com relutância entrou no motel. Daí por diante com sua magia, sua química, sua maestria e competência, a cabeleireira conseguiu transformar Salomão. Hoje ele é bissexual assumido e um dos parceiros amorosos mais frequentes da grande Manoela, a cabeleireira.

quinta-feira, 19 de dezembro de 2013

FIM DOS DIAS

POSTAGEM: ALOISIO GUIMARÃES

A Igreja Ortodoxa resolveu arrecadar dinheiro a todo custo: acaba de colocar à venda um calendário com padres e fieis seminus.
O tema do calendário é "Liberdade de expressão, unidade e tolerância" e procura mostrar o “outro lado” da vida sacerdotal, de pessoas comuns e que tem seus próprios interesses. Ao mesmo tempo, o calendário tem uma abordagem irônica à Igreja, que nos últimos anos se envolveu em vários escândalos…
A novidade, claro, causou um grande bafafá internet.

MENSAGEM PARA VOCÊ

Texto de Moebe de Vascocelos Santos

Final de Ano é para muitos de nós tempo de reflexão, de revisão, de redirecionamentos, de estratégias, de esperanças, de confraternizações, de encontros e reencontros, de perdão, de começo e de recomeço e também um tempo de escolhas. Todo tempo, aliás, é tempo de escolhas, mas, tenho a sensação que nesta época do ano se faz necessário tomarmos mais consciência das escolhas que nós estamos fazendo nos mais diversos palcos existenciais. 
O que estamos escolhendo:
• A integração que busca a cooperação, a solidariedade, o melhor para um todo ou a fragmentação que busca a separação, o isolamento e o egoísmo?
• O desprendimento com desapego e liberdade ou a avareza, buscando a proteção de si e do que possui?
• A liberdade de todos e a verdade de cada um ou o controle, querendo ser o “dono da verdade” e “dono do poder”?
• A verdade das grandes questões da vida para ser quem se é ou a ilusão, representada pela busca de aprovação, prestígio, status?
• A ação, o fazer acontecer, a disciplina, a “acabativa” ou o ficar na zona de conforto, na preguiça, na passividade, na dispersão?
• O ser protagonista ou ser espectador que não se envolve, que se dar por satisfeito em reclamar?
• O ser flexível que “flui como um rio” ou a rigidez que resiste a tudo e a todos?
• O ter fé no positivo, fé no futuro, convicção de que se chegará lá e a coragem de
assumir riscos ou a fé no negativo, no pessimismo e “cautela excessiva” ?
• Ser da paz, da autenticidade, da ação pelo amor ou da agressividade, da defensividade?
• A aceitação dos muitos caminhos, a aceitação de si e dos outros ou de um só “caminho certo” exigindo perfeição de si e de outros?
• A alegria de viver de bom humor ou a tristeza de viver de mau humor, infeliz, insatisfeito?
• O perdão instantâneo (inclusive a si), sem culpas, sem julgamentos e sem críticas ou a condenação (inclusive de si)?
• A serenidade, a calma, a leveza ou ansiedade, a tensão, a agitação e as preocupações?
• O valorizar o aqui/agora e a tudo que se é e tem ou a inveja lamentando passado /preocupado com futuro?
• O construtivo, representado pela palavra mais energizadora, ou o destrutivo
das palavras desmotivadoras, de baixo astral?
• As intenções nobres ou intenções ocultas?
• O dar o melhor de si para criar o melhor ou viver a vida como se ela fosse um balcão de reclamações?
• O ser um presente para todos ao seu redor ou ser um problema para as pessoas?
Fazemos votos que suas escolhas sejam aquelas que realmente levem você e os seus a mais crescimento e mais sucesso (na sua própria escala de valores).
Um grande abraço!