domingo, 31 de julho de 2016

SOU NORDESTINA

Texto de Sheila Raposo

Cultivado entre os cascalhos do chão seco e as cercas de aveloz que se perdem no horizonte, cresceu, forte e robusto, o meu orgulho de pertencer a esse pedaço de terra chamado Nordeste.
Sou nordestina. Nasci e me criei no coração do Cariri Paraibano, correndo de boi brabo, brincando com boneca de pano, comendo goiaba do pé e despertando com o primeiro canto do galo para; ainda com os olhos tapados de remela, desabar pro curral e esperar pacientemente, o vaqueiro encher o meu copo de leite, morninho e espumante, direto das tetas da vaca para o meu bucho.
Sou nordestina. Falo "ôxente", "vôte", "danou-se", "vige", "credo, Jesus-Maria-José!" Proseio minha língua ligeira, que engole silabas e atropela a ortoépia das palavras. O meu falar é o mais fiel retrato. Os amigos acham até engraçado e dizem sempre que eu “saí do mato, mas o mato não saiu de mim”. Não saiu mesmo! E olhe: "acho que não vai sair é nunca”!
Sou nordestina. Lambo os beiços quando me deparo com uma mesa farta, atarracada de comida. Pirão, arroz-de-festa, galinha de capoeira, feijão de arranca com toucinho, buchada, carne de sol… E mais uma ruma de comida boa, daquela que quando a gente termina de engolir o suor já está pingando nos quatro cantos. E depois ainda me sirvo de um bom pedaço de rapadura ou uma cumbuca de doce de mamão, que é pra adoçar a língua. E no outro dia, de manhãzinha, me esbaldo na coalhada, no cuscuz, na tapioca, no queijo de coalho, no bolo de mandioca, na tigela de umbuzada, na orêa de pau com café torrado em casa!
Sou nordestina. Choro quando escuto a voz de Luiz Gonzaga ecoar no teatro de minhas memórias. De suas músicas guardo as mais belas recordações. As paisagens, os bichos, os personagens, a fé e a indignação com que ele costurava as suas cantigas e que também são minhas. Também estavam (e estão) presentes em todos os meus momentos, pois foi em sua obra que se firmou a minha identidade cultural.
Sou nordestina. Me emociono quando assisto a uma procissão e observo aqueles rostos sofridos, curtidos de sol do meu povo. Tudo é belo neste ritual. A ladainha, o cheiro de incenso. Os pés descalços, o véu sobre a cabeça, o terço entre os dedos. O som dos sinos repicando na torre da igreja. A grandeza de uma fé que não se abala.
Sou nordestina. Gosto de me lascar numa farra boa, ao som de xote ou do baião. Sacolejo e me pergunto: pra quê mais instrumento nesse grupo além da sanfona, do triangulo e da zabumba? No máximo, um pandeiro ou uma rabeca. Mas dançar ao som desse trio é bom demais. E fico nesse relabucho até o dia amanhecer, sem ver o tempo passar e tampouco sentir os quartos se arriando, as canelas se tremelicando, o espinhaço se quebrando e os pés se queimando em brasa. Ô negocio bom!
Sou nordestina. Admiro e me emociono com a minha arte, com o improviso do poeta popular, com a beleza da banda de pífanos, com o colorido do pastoril, com a pegada forte do côco-de-roda, com a alegria da quadrilha junina. O artista nordestino é um herói, e nos cordéis do tempo se registra a sua história.
Sou nordestina. E não existe música mais bonita para meus ouvidos do que a tocada por São Pedro, quando ele se invoca e mete a mãozona nas zabumbas lá do céu, fazendo uma trovoada bonita que se alastra pelo Sertão, clareando o mundo e inundando de esperança o coração do matuto. A chuva é bendita.
Sou nordestina. Sou apaixonada pela minha terra, pela minha cultura, pelos meus costumes, pela minha arte, pela minha gente. Sou não sou apaixonada por uma pequena parcela dessa mesma gente que se enche de poderes e promete resolver os problemas de seu povo, mentindo, enganando, ludribiando, apostando no analfabetismo de quem lhe pôs no poder, tirando proveito da seca e da miséria para continuar enchendo os próprios bolsos de dinheiro.
Mas, apesar de tudo, eu ainda sou nordestina, e tenho orgulho disso. Não me envergonho da minha história, não disfarço o meu sotaque, não escondo as minhas origens. Eu sou tudo o que escrevi, sou a dor e a alegria dessa terra.
E tenho pena, muita pena, dos tantos nordestinos que vejo por aí, imitando chiados e fechando vogais, envergonhados de sua nordestinidade. Para eles, ofereço estas linhas.

sábado, 30 de julho de 2016

BRIGA DE MINEIROS

POSTAGEM: ALOISIO GUIMARÃES
Contam que na cidade de Uberaba, dois mineiros eram reconhecidamente considerados adversários políticos.
Um, da cidade, era "O Coroné" e o outro, caipira, era “O Mineirim".
Certo dia, por ironia do destino, eles se encontraram na única barbearia da cidade. Lá sentados, lado a lado, não trocaram uma só palavra. Os barbeiros temiam iniciar qualquer conversa, pois poderia descambar para discussão, principalmente pela fama de brabo que “O Coroné” tinha. Além da fama de brabo, ele andava sempre armado.
Como trabalharam depressa, para se ficarem livres dos dois inimigos, os barbeiros terminaram a barba de seus clientes, mais ou menos ao mesmo tempo.
O barbeiro que atendeu “O Coroné” estendeu o braço para pegar a loção pós-barba para passar no rosto dele, no que foi interrompido rapidamente, que disse:
- Não, obrigado.  A minha esposa vai sentir o cheiro e pensar que eu estive num puteiro.
O outro barbeiro virou-se para o Mineirim e indagou:
- E o senhor?
- Uai, popassá, sô!  Mia muié num sabe mermo como é cheiro de puteiro. Nunca trabaiô pur lá...
A barbearia está fechada até hoje, para reforma.

sexta-feira, 29 de julho de 2016

O RATO E O CARACOL

POSTAGEM: ALOISIO GUIMARÃES

Um rato saiu de manhã para trabalhar e no caminho cruzou com um caracol. Muitas horas depois, após um dia exaustivo em que teve que batalhar arduamente para caçar sua comida e escapar de seus predadores, o rato retornou exausto e notou que o caracol não havia se movido mais que dois metros.
O rato parou e comentou que se sentia compadecido pelo fato de o caracol ter uma vida tão monótona, tão sem emoções, enquanto ele, rato, conseguira viver, em apenas um dia, aventuras que o caracol não viveria em toda existência.
- Emérito rato - disse o caracol - como tenho bastante tempo para observar e refletir, permita-me oferecer-lhe alguns dados comparativos entre nossas espécies, que talvez possam ajudá-lo a rever o seu ponto de vista: caracóis têm casa própria e ratos são escorraçados de todos os lugares aonde chegam; caracóis vivem em jardins e ratos, em esgotos. O alimento dos caracóis está sempre ao alcance, enquanto ratos precisam caminhar horas e horas para encontrar comida; por isso, caracóis podem passar o dia apreciando a natureza, ao passo que ratos não podem se descuidar nem por um segundo. E não por acaso, caracóis vivem cinco anos. Dois a mais que os ratos.
O rato ouviu a tudo atentamente. Ponderou que o caracol tinha razão em tudo o que havia dito e, com uma violenta pisada, esmagou o caracol contra o chão. Felizmente o solo era fofo o suficiente para que o caracol sobrevivesse, mas ele aprendeu uma pequena lição que lhe seria útil pelo resto da carreira: por mais razão que você tenha, nunca tente provar a alguém que se acha o máximo, que ele não é nada daquilo, porque não há negócio pior do que oferecer sabedoria a quem só pode pagar com ignorância.
FONTE: MAX GEHRINGER

quinta-feira, 28 de julho de 2016

SAIBA ESCOLHER

POSTAGEM: ALOISIO GUIMARÃES

Três filhos saíram de casa, conseguiram bons empregos e prosperaram. Anos depois, eles se encontraram e estavam discutindo sobre os presentes que eles conseguiram comprar para a mãe, que já era bem idosa.
O primeiro disse:
- Eu consegui comprar uma casa enorme para nossa mãe.
O segundo disse:
- Eu mandei para ela uma Mercedes zerinho com motorista.
O terceiro sorriu e disse:
- Certamente meu presente foi melhor. Vocês sabem como a mamãe gosta da Bíblia, mas ela está praticamente cega e não consegue mais ler. Então mandei para ela um papagaio marrom raro que consegue recitar a Bíblia todinha. Foram 12 anos de treinamento num mosteiro, por 20 monges diferentes. Eu tive de doar US$ 100,000.00 para o mosteiro, mas valeu a pena. Nossa mãe precisa apenas dizer o capítulo e versículo que o papagaio recita sem um único erro.
Tempos depois, os filhos receberam da mãe uma carta de agradecimento pelos presentes:
- Marlon, a casa que você comprou é muito grande; eu moro apenas em um quarto, mas tenho de limpar a casa todinha. Maycon, eu estou muito velha para sair de casa e viajar; eu fico em casa o tempo todo e nunca uso o Mercedes que você me deu; e o motorista também é muito mal-educado. Querido, Marvin, você foi o único filho que teve bom senso para saber que o que a sua mãe realmente gosta é de coisas simples; aquele franguinho estava delicioso, muito obrigada...

terça-feira, 26 de julho de 2016

A "MEDALHA DE LATÃO" JÁ É NOSSA

Texto de Aloisio Guimarães

Vão começar, na cidade do Rio de Janeiro, os Jogos Olímpicos (ou Olimpíadas), com o pomposo nome de "XXXI Jogos Olímpicos da Era Moderna".
Quem acompanha, como eu, essa manifestação máxima do esporte amador (?) mundial, sabe muito bem que o Lema das Olimpíadas é “O importante é competir”, frase atribuída a Pierre de Frédy - o Barão de Coubertin - considerado o idealizador dos tais Jogos Olímpicos da Era Moderna, criados com a finalidade de promover a união entre os povos e raças e promover a paz entre as nações.
A intenção de promover a paz entre os povos é louvável e digna de ser perseguida a todo custo. Mas sabemos que eventos do porte das Olimpíadas são grande atrativo para aqueles que querem promover a discórdia ou se manifestar politicamente de modo incorreto. Quem não se lembra da chacina de atletas israelenses, ocorrida durante as Olimpíadas de Munique, em 1972? Quem não se lembra dos boicotes aos jogos, principalmente como ocorreu nas Olimpíadas de Moscou, em 1980, que só não teve o seu brilho apagado totalmente graças ao emocionante choro do ursinho Misha, mascote daqueles jogos?
Contrariando a interpretação quase que unânime do significado do Lema das Olimpíadas, Martina Navratilova, talvez a maior tenista que já existiu, declarou que:
- Quem diz que o importante é competir, é um derrotado!
Na mesma linha de opinião, disse o saudoso Ayrton Senna:
- O importante é ganhar, tudo e sempre. Essa história de que o importante é competir não passa de pura demagogia.
Concordo plenamente com eles dois. É evidente que, quem entra numa competição, deve entrar para ganhar e não com o pensamento na base do “tanto faz como tanto fez, o importante é estar aqui”...
Só ficam para a História aqueles que ganham. O mundo se lembra de Muhammad Ali (Cassius Clay), George Foreman, Nádia Comaneci, Mark Spitz, Carl Lewis... Mas ninguém sabe e ninguém se lembra de quem perdeu para eles; ninguém se lembra de quem perdeu para eles, de quem chegou em segundo lugar.
O Lema “O importante é competir” deve ser interpretado como “Perder com dignidade, com o espírito esportivo, aceitando a derrota e reconhecendo que o seu adversário foi superior” e não do modo como pensam ou como ensinam.
Quem vai para as Olimpíadas sem o tesão de querer ganhar, vai apenas para fazer turismo às nossas custas e não é o comportamento esperado para um atleta. Quem entra numa "briga", seja ela qual for, sem a gana de sair vitorioso é um derrotado na vida, sempre. Eu só entro para ganhar. Não ganho sempre, mas tento...
Que venham as medalhas de “ouro, prata e/ou bronze” porque a de “latão” o Brasil já conquistou, dada pela Austrália, ao denunciar a precariedade das instalações da “nossa” Vila Olímpica. Uma vergonha.
Ah, quanto às "medalhas de cadeia”, as futuras operações da polícia federal, sobre propina e superfaturamento nas obras de ginásios esportivos para os jogos, apontarão os seus ganhadores...

segunda-feira, 25 de julho de 2016

OS CINCO ANIMAIS MAIS INTELIGENTES DO MUNDO

POSTAGEM: ALOISIO GUIMARÃES

Ninguém pode negar que os seres humanos realmente são muito inteligentes. Mas, à medida que aprendemos mais sobre o resto do mundo animal, se torna claro que outros do nosso grupo também são bastante inteligentes. Chimpanzés, bonobos e demais primatas têm cérebros avançados e estão sempre nos surpreendendo com ações que comprovam isso.
Mas, deixando de lado os primatas, essa lista olha um pouco mais longe - nos oceanos, nas fazendas - para animais extraordinariamente espertos que não levam a mesma fama que a gente. Confira os 5 animais mais inteligentes do mundo:
· PORCO
Não subestime os porquinhos nos chiqueiros: eles provavelmente são os animais domesticados mais inteligentes do planeta. Apesar de sua inteligência poder ser comparada com a de um cão ou gato, as habilidades de resolução de problemas dos porcos até superam as dos felinos e caninos.
Um estudo mostrou que porcos podem entender o funcionamento de um espelho, pois eles usaram o reflexo para encontrar alimentos escondidos. Os pesquisadores ainda não sabem dizer se os porcos percebem que os olhos refletidos nos espelhos são deles mesmos, o que poderia os classificar no nível de inteligência dos macacos, golfinhos e outras espécies que passaram pelo famoso teste de autorreconhecimento no espelho - um marcador de autoconsciência e inteligência avançada.
Também, em um experimento de 1990, porcos foram treinados para mover um cursor em uma tela de vídeo com os seus focinhos, e a distinguir as imagens que conheciam das que estavam vendo pela primeira vez. Eles aprenderam a tarefa mais rápido do que chipanzés.
· POLVO
Enquanto os porcos são os mais inteligentes entre as espécies domesticadas, os polvos são os mais espertos entre os invertebrados. Experimentos em labirintos e de resolução de problemas mostraram que os polvos têm memória de curto e longo prazo. Além disso, eles podem abrir frascos, apertar pequenas estruturas e pegar um lanche dentro de um recipiente. Eles também podem ser treinados para distinguir diferentes formas.
Numa espécie de atividade, parecida com um jogo (uma das características de espécies com inteligência superior) polvos foram observados lançando garrafas ou brinquedos repetidamente em uma corrente circular em seus aquários, para depois apanhar os objetos.
O polvo é o único invertebrado que pode usar ferramentas. Pelo menos quatro espécimes foram observados recuperando cascas descartadas de coco, as manipulando e depois usando-as como abrigo.
· CORVO
Em muitos ramos da mitologia, o corvo é um trapaceiro astuto. Já no mundo real, os corvos estão provando ser uma espécie bastante inteligente. Esses animais foram observados envolvidos em façanhas como o uso de ferramentas, a habilidade de esconder e armazenar alimentos de estação para estação, e memória episódica – como a capacidade de usar a experiência pessoal para prever condições futuras.
Uma das espécies, o corvo-da-nova-caledónia, foi visto usando uma ferramenta de folha dura parecida com uma faca para fazer com que nozes caíssem em ruas movimentadas, para que os carros as esmagassem. É ou não é uma ideia engenhosa?
Uma pesquisa recente sugere que os corvos têm a capacidade de reconhecer humanos pelas características faciais, e que eles podem se lembrar de rostos por anos. Portanto, tenha cuidado com o que você vai fazer quando cruzar com um corvo, hein?
· GOLFINHOS
Golfinhos estão entre os animais mais inteligentes do reino animal, em parte porque eles têm uma vida muito sociável. Existem evidências de que eles tenham uma sofisticada linguagem própria, embora os seres humanos ainda não tenham conseguido desvendá-la.
Os golfinhos usam ferramentas em seu ambiente natural e podem aprender um impressionante conjunto de comandos com treinadores. Testes recentes mostram que os golfinhos têm autorreconhecimento - um feito reservado para os animais de grande inteligência.
Em 2005, cientistas observaram grupos de golfinhos no oceano Pacífico usando uma ferramenta. Eles arrancavam pedaços de esponja do mar e as envolviam em torno do seu “nariz de garrafa” para evitar escoriações.
· ELEFANTE
Não é por menos que os elefantes estão no topo da lista dos mais inteligentes animais não primatas. Eles vivem em sociedades com uma complexa hierarquia social e mostram altruísmo para com outros animais. As fêmeas grávidas até aprendem a comer um certo tipo de folha que induz o parto.
Eles também podem usar ferramentas, se adaptando rapidamente a novas situações - elefantes foram observados jogando grandes pedras em cercas elétricas para cortar a eletricidade.
Mas o que realmente diferencia os elefantes são seus complexos rituais de morte - tirando esses animais, apenas os seres humanos e os Neandertais são conhecidos por homenagear os mortos. Muitas vezes, os elefantes delicadamente investigam os ossos do recém-falecido enquanto permanecem em silêncio. Às vezes, elefantes completamente alheios ao falecido vão visitar seu túmulo. [Life’sLittleMysteries]
AGRISSÊNIOR NOTÍCIAS

domingo, 24 de julho de 2016

O REINO DO IMPERADOR

POSTAGEM: ALOISIO GUIMARÃES
Certa ocasião, um Imperador alemão realizou uma visita a uma das mais afastadas províncias dos seus domínios.
Passando por uma pequena escola, situada à beira da estrada, resolveu interromper a viagem e visitar os alunos. Professores e crianças o receberam com emoção, respeito e acatamento.
No meio de tanto entusiasmo, houve quem improvisasse um discurso para saudar a ilustre personagem. O Imperador ficou surpreso e feliz com a recepção. Percebendo que a classe era viva, inteligente e desinibida, sentiu-se muito à vontade entre os alunos.
Depois de ouvi-los cantar, declamar, discursar, ele resolveu se divertir um pouco com eles.
Pediu a seu secretário que lhe trouxesse uma laranja e, mostrando-a aos meninos e meninas, perguntou:
- Qual de vocês é capaz de me responder a que reino pertence esta fruta que tenho na mão?
- Ao reino vegetal - respondeu, de imediato, uma garota risonha, de olhos brilhantes e muito comunicativa.
- Surpreendente! - disse o Imperador - Já que você respondeu com tanta precisão, vou lhe fazer duas outras perguntas. Espero que você responda correta e imediatamente. Se me responder sem hesitar, eu lhe dou uma medalha como prêmio. Aceita o desafio?
- Aceito, sim senhor - falou prontamente a garota.
Então, colocando a mão no bolso de sua farda, tirou uma moeda e a mostrou à menina, indagando:
- E esta moeda, a que reino pertence?
- Ao reino mineral - disse ela.
Novamente o Imperador voltou a perguntar:
- E eu, a que reino pertenço?
Houve um rápido momento de silêncio.
Os colegas se entreolharam...
A garota ficou séria e constrangida, preocupada em não ofender o Imperador, dizendo que ele pertencia ao reino animal, além de perder a medalha, seria repreendida. Então, de repente, uma resposta lhe veio à mente. Seus olhos voltaram a brilhar, um sorriso iluminou a sua face e ela respondeu, alto e claro:
- O senhor pertence ao reino de Deus!
A resposta da menina causou admiração entre os colegas, professora e toda a comitiva que acompanhava o Imperador.
Foi, no entanto, o próprio Imperador que mais se sentiu tocado pela afirmativa da garota. Com voz embargada, ele entregou a medalha prometida e, emocionado, falou:
- Espero que eu seja digno desse reino, minha filha...
- E VOCÊ, QUAL É O SEU REINO?

sábado, 23 de julho de 2016

SECRETÁRIA ELETRÔNICA DA VOVÓ

POSTAGEM: ALOISIO GUIMARÃES

- Bom dia! No momento, eu não estou em casa, mas, por favor, deixe a sua mensagem depois de ouvir o sinal:
· Se é um de meus filhos, disque 1;
· Se precisa que eu fique com as crianças, disque 2;
· Se quer o carro emprestado, disque 3;
· Se quer que eu lave e passe a roupa, disque 4;
· Se quer que as crianças durmam aqui em casa, disque 5;
· Se quer que busque na escola, disque 6;
· Se quer que eu prepare uns bolinhos para domingo, disque 7;
· Se querem vir comer aqui em casa, disque 8;
· Se precisa de dinheiro, disque 9;
· Se é um das minhas amigas, pode falar...

sexta-feira, 22 de julho de 2016

NÃO ESQUEÇA DE TROCAR O ÓLEO

POSTAGEM: ALOISIO GUIMARÃES

O casamento de um idoso, com 83 anos, com uma rapariga de 20 anos, foi o motivo de todas as conversas na cidade.
Um ano depois do casamento, o casal apresenta-se no hospital para o nascimento do seu primeiro filho. A parteira sai da sala de partos para felicitar o velhote e diz-lhe:
- É espantoso! Como é que o senhor consegue, na sua idade?!
O velho sorri e diz:
- Tem de se manter o motor a trabalhar…
No ano seguinte, o casal aparece de novo no hospital para o nascimento do segundo filho. A mesma enfermeira acompanha o parto e sai para felicitar o nosso velhote, dizendo-lhe:
- O senhor é incrível! Como é que consegue?!
O velho sorri e diz:
- Tem de se manter o motor a trabalhar…
Mais um ano e o casal aparece no mesmo hospital, para o nascimento do terceiro filho. A mesma enfermeira acompanha uma vez mais o parto e, após o nascimento, vai de novo ter com o velhote, sorri-lhe e diz:
- O senhor é mesmo incrível! Como é que consegue?!
O velho sorri e diz:
- É como já lhe disse, tem de se manter o motor a trabalhar…
A enfermeira continua a sorrir, dá-lhe uma pancadinha nas costas e diz-lhe:
- É bom trocar o óleo, este já saiu bem queimado!

quinta-feira, 21 de julho de 2016

A MORTE DE UM INOCENTE

POSTAGEM: ALOISIO GUIMARÃES

Eu fui a uma festa. mãe. Eu lembrei do que você me disse. Você me disse para eu não beber, e eu não bebi, mãe. Eu me senti orgulhosa de mim como você me disse que eu me sentiria.
Antes de dirigir, eu não bebi, mãe, embora alguns amigos insistissem para que eu bebesse, eu não bebi. Eu agi certo, mãe, e sei que você sempre esteve certa.
A festa foi acabando, mãe, e os amigos foram saindo. Quando eu entrei no carro eu acreditei que logo chegaria em casa e inteira, mãe! Isso por causa do jeito responsável e doce que você me criou. Eu dei partida, mãe, e assim que entrei na avenida, um outro carro não me viu, bateu forte e eu fui lançada para fora. Aqui, no solo da avenida, enquanto o socorro não vinha, eu escutei um policial dizer que o outro motorista estava bêbado. E agora sou quem pago por isso. Estou morrendo aqui, mãe. Eu gostaria que você chegasse logo.
Como isso pôde me acontecer, mãe? Minha vida simplesmente se queimar como um balão? Há sangue por toda parte, mãe, e a maior parte deste sangue é o meu sangue. E agora eu escuto o médico dizer que morrerei em poucos minutos. Eu só queria lhe dizer, mãe, jurar que não bebi. Os outros, sim. Mãe, eles não pensaram. Aquele que me atingiu provavelmente estava na mesma festa que eu. A diferença, mãe, é que ele bebeu e sou eu quem vai morrer.
Por que existe gente assim, mãe? Eles não percebem que podem arruinar a própria vida?
Estou sentindo dores agudas, mãe. O cara que me atingiu está andando e eu não consigo achar isso justo. Eu morrendo aqui e tudo o que ele faz é ficar ali parado me olhando.
Diga ao meu irmão para não chorar e para o papai não ficar bravo comigo. E quando eu partir, mãe, ponha flores no meu sepulcro. Alguém deveria ter avisado a este cara para não beber antes de dirigir. Se ele não tivesse bebido, eu ainda poderia continuar viva. Minha respiração está enfraquecendo, mãe. Estou ficando com medo.
Por favor, não chore por mim. Sempre que precisei, você não falhou. Eu só tenho uma última pergunta antes de me despedir:
- Eu não bebi antes de dirigir, então por que sou eu quem vai morrer?
Este é o fim. Eu gostaria de poder olhar nos seus olhos para dizer estas palavras finais:
- Eu te amo. Adeus.

quarta-feira, 20 de julho de 2016

O TEMPO E O RIO

POSTAGEM: ALOISIO GUIMARÃES

O tempo é como um rio. Você nunca poderá tocar na mesma água duas vezes, porque a água que já passou, nunca passará novamente.
Aproveite cada minuto de sua vida e lembre-se: nunca busque boas aparências, porque elas mudam com o tempo; não procure pessoas perfeitas, porque elas não existem; mas, busque acima de tudo, um alguém que saiba o seu verdadeiro valor.
Tenham quatro amores: Deus, a vida, a família e os amigos. Deus, porque é o dono da vida; a vida, porque é curta; a família, porque é única; e os amigos, porque são raros!

terça-feira, 19 de julho de 2016

O JORNAL

POSTAGEM: ALOISIO GUIMARÃES 
O jornal impresso em papel, como sempre o conhecemos, realmente não poderá nunca ser substituído pela internet. A seguir, alguns dos importantes usos do jornal:
USO DOMÉSTICO:
· Cobrir bananas ou abacate para amadurecer.
· Recolher lixo.
· Limpar vidros.
· Dobradinho, serve para alinhar os pés da mesa.
· Embrulhar louças numa mudança.
· Recolher a caca do cachorro.
· Forrar a gaiola do passarinho.
· Cobrir os móveis e o chão antes de pintar a casa.
· Evitar que entre água por baixo da porta.
· Proteger o chão da garagem quando o carro está a pingar óleo.
· Embrulhar o tacho do arroz para o manter quente.
· Fazer palmilhas para os sapatos para os dias frios e chuvosos.
· Matar moscas, baratas e demais insetos.
· Na época da crise económica, usá-lo como papel higiénico, mesmo sendo um pouco duro.
USO EDUCATIVO:
· Bater no focinho do cão quando faz xixi dentro de casa.
· Fazer barquinhos de papel.
· Arrancar um pedacinho em branco para anotar um número de telefone.
USO COMERCIAL:
· Alargar os sapatos.
· Encher carteiras de senhora para conservar a forma.
· Embrulhar peixes.
· Embrulhar pregos na loja de produtos para construção.
· Rechear a caixa de embalagem.
· Fazer um chapeuzinho para o pintor.
· Cortar moldes para o alfaiate ou para a costureira.
· Embrulhar quadros.
· Embrulhar flores.
USO FESTIVO:
· Acender a churrasqueira ou a lareira.
· Rechear a caixa do presente-surpresa.
OUTROS USOS:
· Fazer bolinhas para atirar aos companheiros de classe.
· Fazer uma capinha para o machado ou foice.
· Fazer bola de futebol de rua.
· Nos filmes, para os bandidos esconderem o revólver.
· Para te esconderes atrás dele, quando não queres que te vejam.
· Ah, e por último: para ler as notícias!
- Alguém consegue fazer isto tudo com o computador?