domingo, 31 de dezembro de 2017

CARTA AO PANETONE

Texto de Rosana Hermann



Querido Panetone,
Eu te amo, mas não podemos viver assim: eu cortando você em pedaços e você me engordando sem parar. Quando o amor deixa o casal infeliz, é hora de parar. Amor não é sofrimento.
Apesar da sua massa macia e suave, tem aquelas frutinhas cristalizadas de toda relação. Acredite, vai ser melhor para nós dois. Você fica com sua integridade, e eu com minha cintura. Continuarei olhando você com ternura e desejo, mas sabendo que já não nos pertencemos mais.
Adeus, Panetone, foi doce, foi bom, mas deixou marcas que agora a blusa comprida precisa encobrir...
Adeus. 

RESPOSTA DO PANETONE.

Cara Rosana,
Antes de mais nada, muito obrigado. Não é sempre que tenho a oportunidade de me manifestar em público.
Primeiramente quero dizer que o que engorda não é o que você ingere entre o Natal e o Ano Novo, mas tudo o que você come entre o Ano Novo e o Natal, portanto, já começo aqui minha defesa.
Sou um panetone fofo, honesto, digno e correto. Estou dentro do prazo de validade e, sobretudo, fui dado a você como presente. Portanto, não seja ingrata com quem me ofereceu a você. Além disso, sou nutritivo, saboroso e, como você não há de negar, gero muito prazer para quem sabe me apreciar. E se você não que queria desde o começo, deveria ter me doado para alguém que tem fome.
Sem querer ser grosseiro com meus amigos vegetais, você pisou na jaca.
Sei que você nutre grande admiração por mim e que sua intenção de me deixar está muito mais ligada à sua incapacidade de administrar seu peso do que a qualquer tipo de insatisfação comigo. Quanto a isso, não há nada que eu possa fazer. Sou apenas um panetone. Não posso atuar como seu personal trainer, nem seu nutricionista, massagista ou psicólogo.
Sinto muito pela sua decisão. Sei que ainda vamos nos encontrar em outra ocasião, porque conheço os seres humanos e sei que assim como minha massa é mole, a carne é fraca. Você ainda vai ter uma recaída. Não encare isso como uma praga, mas como uma constatação de uma criatura que entende muito das tentações do Natal.
De qualquer forma, quero agradecer os bons momentos que passamos juntos. Quero também, outrossim, defender as frutas cristalizadas, pequenos pedacinhos coloridos cheios de boas intenções que em nada ofendem o fino paladar do consumidor.
Acho que você está carente. Se eu tivesse bracinhos, daria um abraço em você. Por enquanto, Feliz Natal.
Do seu sempre,
Panetone

sábado, 30 de dezembro de 2017

O PATO E A GATA

POSTAGEM: ALOISIO GUIMARÃES


Um dos discípulos perguntou ao mestre sufi Shams Tabrizi:
- Como o senhor entrou na vida espiritual?
O mestre lhe respondeu:
- Minha mãe dizia que eu não era bastante louco para ser internado num hospício, nem bastante santo para entrar num mosteiro. Então resolvi me dedicar ao sufismo, onde aprendemos através da meditação livre.
- E como explicou isso a sua mãe?
- Com a seguinte fábula: "Alguém colocou um patinho para que uma gata tomasse conta. Ele seguia sua mãe adotiva por toda parte, até que, um dia, os dois foram parar diante de um lago. Imediatamente, o patinho entrou na água, enquanto a gata, aflita, gritava, da margem: "Saia daí! Você vai morrer afogado!” E o patinho respondeu: “Não, mamãe, descobri o que me faz bem e sei que estou no meu ambiente. Vou continuar aqui, mesmo que a senhora não saiba o que significa um lago".
PENSE NISSO!

sexta-feira, 29 de dezembro de 2017

AME SEMPRE

POSTAGEM: ALOISIO GUIMARÃES

Diz um conto chinês que um jovem foi visitar um sábio conselheiro e disse-lhe sobre as dúvidas que tinha a respeito de seus sentimentos por uma bela moça.
O sábio escutou-o, olhou-o nos olhos e disse-lhe apenas uma coisa:
- Ame-a.
E logo se calou.
Diante do silêncio do sábio, o rapaz retrucou:
- Mas, ainda tenho dúvidas...
- Ame-a - disse-lhe novamente o sábio.
E, diante do desconcerto do jovem, depois de um breve silêncio, o mestre disse-lhe o seguinte:
- Meu filho, amar é uma decisão, não um sentimento. Amar é dedicação e entrega. Amar é um verbo e o fruto dessa ação é o amor. O amor é um exercício de jardinagem. Arranque o que faz mal, prepare O terreno, semeie, seja paciente, regue e cuide. Esteja preparado porque haverá pragas, secas ou excessos de chuvas, mas nem por isso abandone o seu jardim. Ame, ou seja, aceite, valorize, respeite, dê afeto, ternura, admire e compreenda. Simplesmente, ame, porque:
• A inteligência, sem amor, te faz perverso.
• A justiça, sem amor, te faz implacável.
• A diplomacia, sem amor, te faz hipócrita.
• O êxito, sem amor, te faz arrogante.
• A riqueza, sem amor, te faz avarento.
• A docilidade, sem amor te faz servil.
• A pobreza, sem amor, te faz orgulhoso.
• A beleza, sem amor, te faz ridículo.
• A autoridade, sem amor, te faz tirano.
• O trabalho, sem amor, te faz escravo.
• A simplicidade, sem amor, te deprecia.
• A lei, sem amor, te escraviza.
• A política, sem amor, te deixa egoísta.
• A vida, sem AMOR, não tem sentido.

quinta-feira, 28 de dezembro de 2017

VOTOS DO NORDESTINO PARA O ANO NOVO

POSTAGEM: ALOISIO GUIMARÃES

Que em 2018...
· Anote os seus querê e pendure num lugar que você espie todo dia.
·  Mesmo que seus objetivos estejam lá prá baixa da égua, vale a pena correr atrás deles. Não se agonie e nem esmoreça. Peleje.
· Lembre que prá ficar estribado é preciso trabalhar. Não fique frescando e remanchando.
· Cuide bem dos bruguelim e dos bixim. Dê sempre mais que o sustento, pois eles lhe dão o aconchego no fim da lida.
· Não fique lesando, resmungando e batendo no quengo por besteira. Seje macho e pense positivo.
· Num se avexe, num se aperreie e nem se agonie. Num é nas carreira que se esfola um preá.
· Reflita sobre as besteiras do ano passado e jogue no mato os maus pensamentos.
· Murche as orêia, respire fundo e grite bem alto: SAAAIII!
Agora é só levantar a cabeça e desimbestar no rumo da venta que vai dar tudo certo em 2018, afinal de contas você é brasileiro e nordestino. Se não é, é doidim prá ser!
Um ano novo bem arretado prá vocês tudim!

quarta-feira, 27 de dezembro de 2017

COMO SERIA A VIDA SEM OS ENGENHEIROS

POSTAGEM: ALOISIO GUIMARÃES 
 

             SEM ENGENHEIRO ELETRÔNICO:



              SEM ENGENHEIRO MECÂNICO:


           
             SEM ENGENHEIRO CIVIL:


           
             SEM ENGENHEIRO DE TELECOMUNICAÇÕES:



             SEM ENGENHEIRO DA COMPUTAÇÃO:



             SEM ENGENHEIRO AERONÁUTICO:



             SEM ENGENHEIRO DE SOM:


          
             SEM ENGENHEIRO ELETRÔNICO:

           


             MAS, COM OS ENGENHEIROS...


terça-feira, 26 de dezembro de 2017

FILOSOFANDO...

POSTAGEM: ALOISIO GUIMARÃES

  • Um relacionamento é baseado em dois atributos: Beleza e Paciência. Se der certo, beleza; se não der, paciência.
  • Se você não tem coragem de falar sobre sexo com seu filho, leve-o a um baile funk, que ele vai aprender tudinho!
• Uma mulher que escolhe homem pelo bolso, não pode reclamar quando é tratada como mercadoria.
• O homem que escolhe a mulher pela bunda, não pode reclamar quando tem um relacionamento de merda!
• Não mande alguém “ir se foder”, mande “ir se apaixonar”. É mais educado e significa a mesma coisa.
• O homem mais importante na vida de uma mulher não é o primeiro, mas sim aquele que não deixa existir o próximo.
• Se alguém se afastar de você não fique triste: pode ser a resposta da oração: "Livrai-nos do mal, amém!"
• Mesmo que o Lula perca a voz e aprenda a linguagem dos sinais, continuará falando errado, pois lhe falta um dedo.
• Eu era lindo e vivia rodeado de mulheres, mas tive que vender a minha Ferrari.
• Ir a uma churrascaria e pedir salada é o mesmo que ir ao prostíbulo e pedir um abraço.
• A justiça é cega, mas a injustiça todo mundo vê.
• Toda vez que ouço minha voz gravada (num vídeo, por exemplo), eu sinto uma vontade enorme de pedir desculpas a todos aqueles com quem eu já falei…
• Em dia de trabalho, qualquer arranhão vira fratura exposta.
• Calça legging é igual a caldo Knnor: deixa qualquer galinha gostosa.
• A corrupção não é uma invenção brasileira, mas a impunidade é uma coisa muito nossa.
• O café excessivamente quente, em copo plástico, reduz em 2/3 a potência sexual do homem: primeiro queima os dedos, depois a língua.
• "O caminho para encontrar a paz interior é terminar todas as coisas que você começou". Eu olhei ao meu redor para ver todas as coisas que eu tinha começado e não tinha acabado. Então, hoje eu terminei com uma garrafa de vodka, 2 garrafas de vinho tinto, uma garrafa de Jack Daniel's, uma caixinha de chocolate, e uma caixa de cerveja. Você não imagina quão bem eu me senti... Tente você também!
• Qual é a principal diferença entre Frustração e Desespero? Frustração é quando você, pela primeira vez, não consegue dar a segunda; Desespero é quando, pela segunda vez, você não consegue nem dar a primeira!
• As mulheres são como o vinho: com o passar dos anos, umas se tornam ainda mais doces; outras, azedam. As que azedam, é por falta de "rolha".
• Começo a pensar que me pareço com Deus. É sério! Toda vez que ligo a webcam para alguma menina, vejo um ar de espanto em seus olhos, elas exclamam “Meu Deus!” e depois desligam.
• Devo tanto que se chamar a minha mulher de "meu bem", o banco vem e toma...
• O passado da mulher é igual a cozinha de restaurante: é melhor você não conhecer porque senão você não come.
• Não se ache horrível pela manhã; acorde ao meio-dia.
• Não beba dirigindo, você pode derruba a cerveja.
• Em dia de tempestade e trovoadas, o lugar mais seguro é ficar perto da sua sogra: não há raio que a parta!
• Pensei muito e fiquei fortemente decidido a esquecer completamente o passado, Então, se eu lhe devo algum dinheiro, eu sinto muito.

segunda-feira, 25 de dezembro de 2017

UM BELA RESPOSTA

POSTAGEM: ALOISIO GUIMARÃES

ANÚNCIO PUBLICADO EM UM JORNAL 
"Somos um restaurante, pequeno e casual, no centro da cidade, e estamos à procura de músicos para tocarem de graça no nosso restaurante, podendo, assim, promover a sua música e vender os seus CD's. Este não é um emprego diário e sim para eventos especiais que, eventualmente, se tornarão eventos diários uma vez que a resposta do público seja positiva. Preferimos que toquem jazz, Rock e outros ritmos mais leves, de todo o mundo e de várias culturas. Está interessado em promover o seu trabalho? Então, comunique conosco, o mais rápido possível."
RESPOSTA DE UM MÚSICO
"Olá! Eu sou um músico, com uma casa grande, à procura de um dono de restaurante que venha à minha casa promover o seu restaurante, ao fazer comida de graça para mim, minha família e meus amigos. Isto não aconteceria diariamente, mas, a princípio, em eventos especiais, os quais poderão, eventualmente, crescer e tornar-se algo grande e diário, se a resposta for positiva. Preferimos carne de primeira e refeições exóticas. Você está interessado em promover o seu restaurante? Então, comunique-me, urgentemente!"

domingo, 24 de dezembro de 2017

SEJA O NATAL

POSTAGEM: ALOISIO GUIMARÃES

  Eu quero ser Natal, e você?
Natal é você, quando decide nascer de novo, cada dia, deixando que Deus penetre seu interior.
· O Pinheiro do Natal é você, quando resiste fortemente aos ventos e dificuldades da vida.
· Os Enfeites de Natal são você, quando suas virtudes são cores que enfeitam a vida.
· O Sino do Natal é você, quando chama, une, reúne, congrega pessoas.
· A Luz do Natal é você, quando ilumina com sua vida, o caminho dos outros através da bondade, paciência, alegria, generosidade.
· Os Anjos do Natal são você, quando canta ao mundo uma mensagem de paz, de justiça e de amor.
· A Estrela do Natal é você, quando conduz alguém ao encontro do Senhor.
· Você também é os Reis Magos, quando dá o melhor que tem aos necessitados.
· A Música do Natal é você, quando consegue encontrar harmonia interior.
· O Presente de Natal é você, quando do é verdadeiramente amigo e irmão de todo ser humano.
· O Cartão de Natal é você, quando a bondade está escrita em suas mãos.
· A Felicidade do Natal é você, quando perdoa e restabelece a paz mesmo que ainda esteja sofrendo.
· O Presépio do Natal é você, quando sacia de pai e de esperança o pobre que está ao seu lado.
Um feliz Natal para todos que se parecem ao Natal!

AOS AMIGOS E LEITORES

Texto de Aloisio Guimarães



AOS CRISTÃOS

POSTAGEM: ALOISIO GUIMARÃES



sexta-feira, 22 de dezembro de 2017

A GALINHA

POSTAGEM: ALOISIO GUIMARÃES

A galinha convida seus vizinhos para plantar trigo e diz outros animais:
- Se plantarmos trigo, teremos pão para comer. Alguém quer me ajudar?
- Eu não - disse a vaca.
- Nem eu - emendou o pato.
- Eu também não - falou o porco.
- Eu muito menos eu - disse o ganso - faço parte de outro sindicato.
- Então eu mesma planto - falou a galinha.
E plantou. O trigo cresceu e amadureceu em grãos dourados.
- Quem vai me ajudar a colher o trigo? - perguntou a galinha.
- Eu não - disse o pato.
- Não faz parte de minhas funções - disse o porco.
- Não - exclamou a vaca - é trabalho análogo a escravo.
- Não ajudo porque perderei o seguro desemprego - disse o ganso.
- Então, eu mesmo colho - falou a galinha.
E colheu. E, com isso, chegou a hora de preparar o pão.
- Quem vai me ajudar a assar o pão? - indagou a galinha.
- Só se me pagarem hora extra - falou a vaca.
O pato disse não poder ajudar por que tinha auxílio-doença. O ganso disse:
- Se só eu ajudar, será discriminação.
O porco disse enraivecido:
- Ô, galinha! Pare com essa insistência! Isso é assédio moral.
- Então eu mesma asso - disse a galinha.
E assou cinco pães. De repente, todo mundo queria pão. E a galinha disse:
- Não, agora eu vou comer os cinco pães sozinha.
- Lucros excessivos - gritou a vaca.
- Sanguessuga capitalista - exclamou o pato.
- Eu exijo direitos iguais - bradou o ganso.
E o porco partiu logo para a organização de um movimento com milhares de cartazes com dizeres "injustiça", "discriminação", "assédio". Para a galinha, os mais ofensivos impropérios.
Instalada a confusão, chegou um agente do governo. Dele, a galinha ouviu o seguinte:
- Você não pode ser assim egoísta.
- Mas eu ganhei esse pão com meu próprio suor - defendeu-se a galinha.
- Exatamente - disse o funcionário - essa é a beleza da livre empresa. Qualquer um neste país pode ganhar o quanto quiser, mas os mais produtivos têm que dividir o produto de seu trabalho com os que não fazem nada. Essa é a base dos nossos direitos humanos. País rico é país sem pobreza!
A galinha engoliu seco e calou. Calou de uma vez. E os vizinhos perguntam até hoje por que, desde então, ela nunca mais fez absolutamente nada...
Não é para menos. Destruíram a iniciativa, a criatividade e os empregos. Assim chegamos ao final do ano de 2017. Precisamos reanimar a galinha...

quinta-feira, 21 de dezembro de 2017

A CARTA

POSTAGEM: ALOISIO GUIMARÃES

Texto escrito pelo comediante George Carlin, após a morte da sua esposa. Reflita na eloquência de suas palavras: 

O paradoxo do nosso tempo é que temos edifícios mais altos e temperamentos mais reduzidos; estradas mais largas e pontos de vista mais estreitos; gastamos mais, mas temos menos; compramos mais, porém desfrutamos menos; temos casas maiores e famílias menores; maiores comodidades e menos tempo; temos mais graduações acadêmicas, porém menos sentido comum; maior conhecimento, porém menor capacidade de discernir; mais especialistas, porém mais problemas; melhor medicina, porém menos bem estar, bebemos demais, fumamos demais!
Desperdiçamos demais, rimos pouco; dirigimos rápido demais, nos irritamos demais. Nos é revelado muito, mas amanhecemos cansados; lemos pouco, vemos muito televisão e oramos raramente; temos multiplicado nossas posses, porém reduzimos nossos valores; falamos muito, ouvimos muito pouco, amamos menos ainda e odiamos frequentemente!
Temos aprendido a ganhar a vida, mas não para viver; acrescentamos anos à nossa vida, mas não vida aos nossos anos; temos ido à lua, mas é cada vez mais difícil atravessar a rua e encontrar o nosso vizinho.
Conquistamos o espaço exterior, porém não o nosso interior; temos feito grandes coisas, porém não as melhores; temos limpado o ar, porém contaminamos nossas almas; dominamos o átomo, mas não nossos preconceitos.
Escrevemos mais, porém aprendemos menos; planejamos mais, porém realizamos menos; temos aprendido a apreciar, porém não sabemos espera; produzimos computadores que processam mais informações, porém nos comunicamos cada vez menos.
Estes são tempos de comidas rápidas e digestão lenta. São tempos de homens de grande estatura e com falta de caráter! De enormes ganâncias econômicas e relações humanas superficiais.
Existem duas fontes de renda, porém mais divórcios; casas mais luxuosas, mas muitos lares desfeitos.
São tempos de viagens rápidas, fraldas descartáveis; moral descartável em uma noite, corpos obesos! E pílulas que fazem de tudo: alegrar, acalmar e até matar.
São tempos de janelas que se abrem para lugar nenhum! Tempos em que a tecnologia pode fazer chegar esta carta até você! E você pode optar por compartilhar estes pensamentos ou simplesmente excluí-los.
Lembre-se de passar algum tempo com seus entes queridos, pois ninguém estará aqui para sempre. Recorde-se agora de quem o admira, porque essa pessoa tão logo poderá estar longe de você. Lembre-se de abraçar quem você ama, porque esse é um tesouro que você pode dar, sem nenhum custo. Lembre-se de dizer “eu te amo” ao seu parceiro e aos seus entes queridos, mas acima de tudo, fazê-lo sinceramente.
Um beijo e um abraço podem curar uma ferida, quando se é dado com toda a alma.
Dê-se tempo para amar e conversar, compartilhando suas mais preciosas ideias. E sempre recorde:
A vida não se mede pelo número de vezes que respiramos, mas sim pelos extraordinários e importantes momentos que vivemos em plenitude.
George Carlin.

quarta-feira, 20 de dezembro de 2017

OS CEM ANOS DA VOVÓ

Texto de Carlito Lima

- Minha sobrinha como você está bonita, as guerrilheiras se deram bem quando voltaram a ser normais. Você está linda, minha querida.
- Tio Aprígio amado, você está um coroa enxuto, garanto como tem muitas mulheres dando em cima desse viúvo, setentão. Cheguei ontem, vim somente curtir os 100 anos da vovó Creuza, retorno na terça-feira. Ela está lúcida, impressionante, sentada na cadeira de balanço, me deu um abraço apertado, conversamos muito, ela lembra-se de pormenores dos tempos da ditadura, minha prisão, meus anos de exílio, a falta que eu fazia, sempre fui muito chegada à minha avó. Achou-me parecida com mamãe.
- De fato, sua mãe e sua tia eram bonitas, aliás, todas as mulheres da família são lindas. Cristina minha querida, você ultrapassou os cinquenta, continua uma mulher atraente, desejável. Ainda está casada com aquele jovem pilantra?
- Meu tio, acho que você está me cantando. O pilantra era apenas uma questão de cama, nunca fui casada com ele, sou uma mulher livre, faço o que quero. Adorei seu ciúme. Agora vamos cantar os parabéns para Vovó. Sempre adorei esse sítio aqui da Bica da Pedra, hoje estou com vontade de tomar um porre, me acompanhe tio Aprígio querido e lindo.
Na reunião familiar comemorando os 100 anos da matriarca Creuza estavam os convidados especiais e a família, filhos, genros, netos, bisnetos, tataranetos, faziam a festa no bem cuidado Sítio Junqueiro, entre coqueiros, mangueiras, à beira da Lagoa Manguaba, um paraíso particular da família. Com muita alegria cantaram os parabéns, Aprígio discursou com bom humor e boas recordações, Cristina se emocionou. Dona Creuza tem um carinho especial ao genro, alegre por natureza, feliz, radiante, lúcida, em movimentos lentos agradeceu, tomou uma cachacinha, acendeu um cigarro na vela, depois soprou as velinhas, abraçou a todos, celebrando a vida, 100 anos de vida.
A festa continuou animada, muitas recordações, casos contados, histórias hilariantes e outras tristes. Um conjunto tocava belas músicas, dançaram, cantaram, beberam até altas horas da noite. Na hora de dormir cada qual se ajeitou nos cinco quartos do Sítio, outros retornaram a Maceió. Alguns mais resistentes ficaram para curtir o amanhecer, pegar o sol com a mão. Sentados no cais das lanchas Aprígio e Cristina conversaram, lembrando os tempos de sua prisão. Aprígio viajando para o Recife, abrindo contatos com ao militares, até conseguir um acordo, Cristina solta, exilou-se no México, depois rumou à Europa, Bruxelas, Paris, muita saudade do Brasil. Enfim o retorno.
O sol nasceu por entre os coqueirais em certo momento a sobrinha encostou-se em Júlio, surpreendeu-o beijando na boca, cochichou no ouvido.
- Vamos ao hotel?
Olhos nos olhos, o domingo amanhecendo esplendoroso, céu e nuvens alaranjados. Eles se levantaram. Aprígio falou aos bêbados retardatários deitados na grama.
- Vou para Maceió, levo a Cristina no hotel. Logo mais retorno, tem a famosa feijoada da Dona Creuza. Até mais tarde.
Os dois entraram no carro, olharam-se, abraçaram-se, beijaram-se como se fossem dois colegiais.  Enquanto Cristina saltou do carro para abrir a cancela do sítio, Aprígio habilmente tirou uma pílula azul da carteira, colocou-a na boca, mastigou, engoliu.
Ao entrar no apartamento do hotel, calmamente tomaram um banho quente, o dia havia amanhecido, apesar de todo cansaço, relaxaram se amando, dormiram. Acordaram ao meio dia, repetiram a liturgia do amor do fim de noite. Fizeram um lanche no hotel, passaram no apartamento de Aprígio na praia da Jatiúca, digno de um viúvo. Ele vestiu um calção de banho, bermuda, camisa colorida, rumaram para feijoada de Dona Creuza.
O planejamento de retorno ao Rio falhou. Cristina ficou todo mês de fevereiro e o carnaval, adorou passear pelo litoral norte, litoral sul, encantada com as cidades históricas, barrocas, Penedo, Piranhas, Marechal Deodoro. Aproveitou a época carnavalesca saiu no Bloco da Nêga Fulô no domingo de carnaval, nunca deixando de visitar vovó Creuza no Sítio. Passeou por todos os mares das Alagoas sempre acompanhada do querido tio.
No aeroporto Cristina despedindo-se, sorrindo para o tio.
- Meu amor, todos esses dias, inesquecível, obrigado por tudo, qualquer dia a gente se vê, tenho certeza, até o próximo aniversário da Vovó.